Carteiras de trabalho de candidatos a vagas de emprego tempor‡rio oferecidas pela Metalœrgica Aliana, em uma mesa do departamento pessoal da empresa.

O Ministério do Trabalho e da Previdência Social informou, hoje (29/11), que a economia brasileira gerou 159,4 mil empregos com carteira assinada em outubro deste ano. Esses dados apontam uma piora em relação a outubro do ano passado, quando foram criados 252,5 mil empregos formais. A queda, nesta comparação, foi de 36,9%.

Em outubro de 2020, em meio à primeira onda da Covid-19, foram abertos 365,9 mil empregos com carteira assinada. Isso demonstra uma tendência de piora sequencial nos últimos anos, acompanhado do aumento do desemprego. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 9,5 milhões de pessoas estavam buscando emprego no Brasil, em setembro, e 39,1 milhões trabalhadores estão na informalidade.

Quanto ao acumulado do ano, o Ministério do Trabalho ressalta que foram criadas 2,32 milhões de vagas formais de emprego no país entre janeiro e outubro. O número representa recuo na comparação com o mesmo período de 2021, quando foram criadas 2,75 milhões de vagas.

Medidas para garantir emprego

Para ter emprego é preciso atacar os lucros e propriedades das grandes empresas e dos super-ricos, para quem Bolsonaro governou nos últimos anos, assim como os governos anteriores.

É preciso adotar medidas de enfrentamento com o capital, que devem ser cobrados do futuro governo Lula-Alckmin, através da organização e mobilização independente da classe trabalhadora.

A primeira medida é revogar por completo as reformas Trabalhistas e Previdenciária, que foram aprovadas com a desculpa de que gerariam mais empregos. A realidade mostra que isso foi uma grande mentira. Serviu para precarizar o trabalho, aumentar a exploração, reduzir direitos, diminuir os salários, crescer o desemprego e aumentar o lucro dos patrões.

É necessário ainda reduzir a jornada de trabalho, sem reduzir os salários. Só a redução para 36 horas abriria mais de 10,5 milhões de postos de empregos. Defendemos a redução da jornada para 36 horas e para menos ainda, caso o desemprego aumente.

Outra medida é estatização das 100 maiores empresas, sob o controle dos trabalhadores. Hoje, o que é produzido pela classe trabalhadora é apropriado por um pequeno conjunto de grandes empresas que controlam tanto a produção quanto a distribuição. São grandes monopólios que dominam a economia não para atender as necessidades da população, mas para seus próprios lucros. É preciso tomar o controle das grandes empresas e colocá-las a serviço dos interesses do povo.

Também é preciso reestatizar as empresas privatizadas, sob o controle dos trabalhadores. A submissão ao imperialismo ocorre também através da entrega do patrimônio nacional ao capital estrangeiro. O resultado é o que ocorreu com a Vale do Rio Doce: superexploração, tragédias por conta da ganância sem limites e destruição do meio ambiente. É preciso retomá-las e colocá-las sob o controle dos trabalhadores.