Metalúrgicos do 1º turno da GM aprovam doação ao Haiti

Uma nova assembléia acontecerá no 2º turnoOs trabalhadores do primeiro turno da General Motors de São José dos Campos aprovaram, em assembléia, nesta quinta-feira, dia 11, a doação de 1% de seus salários para o povo haitiano. A planta possui um total de 8.500 trabalhadores. Uma nova assembléia acontecerá na entrada do segundo turno, às 14h30. Se os trabalhadores deste período também decidirem pela aprovação, serão doados cerca de R$ 300 mil, numa forma inédita de arrecadação. A doação será descontada, uma única vez, direto em folha de pagamento.

Com a GM, somam-se 10 mil trabalhadores, de cinco fábricas, a aderirem a Campanha de Solidariedade ao Povo Haitiano, organizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e pela CONLUTAS (Coordenação Nacional de Lutas).

Todo o dinheiro arrecadado será enviado à central sindical e popular do Haiti, Batay Ouvriey (Batalha Operária).

“Este dinheiro será entregue direto nas mãos dos trabalhadores. Não vamos entregar nada às tropas militares ou ao governo. Esta é uma solidariedade de classe para ajudar o povo haitiano a se reorganizar e a reconstruir uma nação livre, sem ocupação imperialista”, afirma o presidente do Sindicato, Vivaldo Moreira Araújo.

Além da GM, a campanha já teve a adesão de metalúrgicos da Hitachi, Bundy, Heatcraft e Trelleborg. O Sindicato possui em sua base cerca de 40 mil trabalhadores, localizados em empresas nas cidades de São José, Jacareí, Caçapava, Santa Branca e Igaratá. A doação será feita por todos os funcionários das fábricas onde houver aprovação, inclusive pessoal administrativo. Na GM, há 8.073 horistas e 427 mensalistas. A média salarial é de R$ 3.332,80 e R$ 7.069,86, respectivamente.

A arrecadação feita na base de São José dos Campos vai se somar à campanha nacional da CONLUTAS, que já conseguiu R$ 104.838,65.