A fábrica da General Motors de Silao, no México, está sendo alvo de graves denúncias de violações dos direitos trabalhistas e fraude no processo de votação do novo Contrato Coletivo de Trabalho (CCT). O pleito ocorreu em abril e teve o resultado suspenso pelo Ministério do Trabalho mexicano, que investiga o caso.

O sindicato da categoria, filiado à Confederación de Trabajadores de México (CTM), foi acusado de fraudar o processo de votação. Entre as irregularidades apontadas estão o roubo de urnas, desaparecimento de cédulas e ameaças contra os operários.

O grupo Generando Movimiento, que se apresenta como oposição, relata que essa não foi a primeira vez que o sindicato atua contra os trabalhadores. Em outras circunstâncias, os dirigentes sindicais forçaram os operários a aceitarem as propostas favoráveis à GM. Há também relatos de perseguição aos metalúrgicos que cobram mais transparência e democracia dentro do sindicato.

Há anos, existem denúncias de que a GM de Silao persegue trabalhadores, com ameaças e demissão de quem é contra as propostas da empresa.

A montadora tem a política de ataque aos direitos trabalhistas, em todos os países onde atua. Em 2019, sob pretexto de reestruturação global, ameaçou fechar unidades caso os operários não abrissem mão de conquistas históricas e provocou centenas de demissões.

Os trabalhadores têm o direito a decidir sobre o acordo coletivo, sem fraudes nem interferência patronal. De todas as partes do mundo e de diferentes organizações sindicais estão chegando manifestações de solidariedade aos trabalhadores da GM e condenando a interferência da empresa. Essa rede de apoio obrigou até mesmo o governo americano se pronunciar sobre o caso. É preciso intensificar a solidariedade e unidade internacional dos trabalhadores”, afirma Luiz Carlos Prates, o Mancha, da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e a CSP-Conlutas enviaram aos companheiros de Silao uma nota de apoio. Confira a íntegra abaixo.

Nota de apoio aos trabalhadores da GM de Silao na luta pela democracia sindical

Nós, do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (Brasil) e da CSP-Conlutas, representando os trabalhadores da General Motors na região, manifestamos todo nosso apoio à oposição Gerando Movimento na luta contra a fraude ocorrida na votação do acordo coletivo na fábrica.

Os trabalhadores da GM têm o direito de decidir livremente sobre o acordo, sem influência da empresa que busca burlar a vontade operária.  Além disso, a CTM descaradamente promove fraude na votação.

A GM, para aumentar ainda mais a exploração, mantém a todo custo condições de trabalho precárias, baixos salários e repressão. Esta situação tem levado a protestos de diversas entidades de trabalhadores ao redor do mundo, em solidariedade aos nossos companheiros mexicanos.

Estamos divulgando esta luta aqui no Brasil e internacionalmente. Colocamo-nos à disposição para que possamos nos reunir para desenvolvermos ações comuns. Solidariedade, sempre!

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região e CSP-Conlutas