CHILE | Vitória da classe trabalhadora e da juventude: María Rivera (MIT-LIT) eleita constituinte

    Resultado deve ser anunciado oficialmente nas próximas horas. Candidatos independentes superam partidos tradicionais

    1295

    Embora ainda não tenha terminado a contagem dos votos das eleições no Chile, ao que tudo indica, há um verdadeiro terremoto político no país a partir dos resultados que serão oficializados nas próximas horas.

    Até agora, o principal fenômeno eleitoral está nas eleições constituintes, onde os independentes vão se posicionando como uma força superior a praticamente todas as listas dos partidos tradicionais. A direita sai lamentando seus resultados. Tudo indica que não irão alcançar o 1\3 que precisam para frearem as mudanças constitucionais. Mas a direita não é a única inimiga do povo. Os partidos que governaram o país durante os últimos 30 anos e que respondem aos interesses do grande empresariado vão ter mais que 1/3 (direita e a ex-Concertação).

    Além dos partidos do grande empresariado, também os partidos reformistas como o PC (ex-Nova Maioria) e a Frente Ampla – que firmou o acordo pela Paz – terão uma importante representação na Constituinte e tentarão negociar permanentemente com os partidos empresariais para salvar o capitalismo chileno, ainda que tenham que entregar os aneis para não perderem os dedos. Mas o fenômeno mais novo serão os independentes, em particular a Lista do Povo, que deverá eleger mais de 20 constituintes. Também serão eleitos outros independentes que são frutos das mobilizações sociais, como as candidaturas feministas, territoriais, etc.

    Neste contexto, também fica marcada uma tendência irreversível para a eleição de nossa companheira María Rivera. Com mais de 16 mil votos, a companheira aparece como a 4ª mais votada do Distrito 8, o maior do país. Além de María, a Lista do Povo também elegerá Marcos Arellano, dirigente territorial de Quilicura.

    Desde já declaramos que a vitória de María Rivera está a seviço da luta pela libertação de todos os presos políticos, e que devemos preparar o início da Convenção Constitucional com uma grande mobilização de massas que exija a saída de Sebastián Piñera. E que a Constituinte se declare soberana para eleger um governo provisório no país e convocar novas eleições presidenciais.

    Reafirmamos que a futura Convenção Constitucional não será democrática. Piñera, um assassino com menos de 10% de apoio, continua no governo. Os responsáveis pelas dezenas de mortes e brutalidades contra o povo permanecem livres e em seus cargos. Ainda temos centenas de companheiros e companheiras presos nos cárceres ou em suas casas. O Acordo de Paz continua em vigor e será um grande obstáculo para mudanças reais.

    Desta forma, não temos confiança de que mudaremos as coisas por dentro desta Constituinte, mas acreditamos que hoje o movimento de massas está conquistando uma importante vitória ao rechaçar grande parte dos políticos e partidos tradicionais, e ao eleger candidatos independentes vindos das mobilizações.

    Queremos agradecer a todos e todas que votaram e fizeram campanha pela nossa companheira. A presença de María Rivera, uma verdadeira revolucionária, na Constituinte será fundamental para dialogar com milhões de trabalhadores sobre as verdadeiras mudanças que devemos realizar em nosso país e promover, desde o cargo de Constituinte, a mobilização das massas.

    Parabenizamos a toda militância do MIT, aos familiares e apoiadores de María pelo enorme esforço que fizeram para sua eleição. Temos muito o que fazer. Não compartilhamos da ideia da “festa da democracia”. Acreditamos que a única possibilidade de mudar a fundo nosso país é com uma revolução que consiga por toda a economia do país e o poder nas mãos da classe trabalhadora organizada. Saudamos ainda o enorme apoio dos companheiros da Liga Internacional dos Trabalhadores, organização internacional a qual pertencemos, e aos partidos-irmãos do MIT nos diferentes países. Reafirmamos a necessidade de construir uma forte organização revolucionária internacional para acabar com o capitalismo. Reafirmamos o apoio da luta dos companheiros e companheiras colombianos e também ao povo palestino, que hoje está sendo massacrado pelo Estado terrorista de Israel.

    Vamos à Constituinte para usar mais esta frente para lutar, não para negociar acordos com os mesmos de sempre.

    Convidamos a todos os lutadores a somarem-se ao Movimento Internacional de Trabalhadores (MIT) para organizar as lutas que virão no próximo período.

    Avante os que lutam! Liberdade imediata a todos os presos políticos!

    Fora Piñera! Prisão para Piñera e todos os responsáveis por atacar e assassinar o nosso povo!

    Mobilização e luta para recuperar tudo o que nos saquearam nos últimos 50 anos!