Na ausência de uma praça, um final de linha ônibus desativado virou um espaço de batalha de rimas e de apresentação de hip-hop. Era julho de 2019, quando jovens negros e negras de Itinga, bairro da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, deram início à Batalha do FDL (Final de Linha).

“A Batalha do FDL constituiu-se como um espaço político e cultural protagonizado pela juventude negra e periférica, utilizando a cultura do hip-hop enquanto uma ferramenta que possibilita a expressão, o entretenimento e a auto-organização da juventude, através da arte, de forma independente e autônoma”, pontua Vander Bispo, um dos idealizadores da batalha e ativista do Movimento Aquilombar, coletivo de jovens onde atua a juventude do PSTU.

Itinga é o maior bairro popular de Lauro de Freitas, de uma população majoritariamente negra, sofre com a falta de infraestrutura e de políticas voltadas à cultura e à juventude. Era assim nos governos da direita e segue a mesma situação no governo municipal de Moema Gramacho (PT). A presença constante do Estado é através do seu aparato repressor, e não através de políticas públicas que visem melhorar a vida da população.

“A Batalha do FDL é o que foi negado para nós. É o direito à cultura, à diversão, a se entreter e descansar a carne. É um projeto muito importante para a comunidade. É uma política tirada por nós, moradores do bairro, para enfrentar os problemas sociais que temos aqui, como o exemplo do extermínio da nossa juventude negra”, ressalta Vander.

“Queremos fazer da batalha um espaço seguro para a juventude, apontar novos caminhos, dar coragem e proporcionar autoestima. A batalha é um espaço de transformação e conscientização para lutar e seguir a vida, enfrentando esse sistema de exploração e opressão que é o capitalismo”, completa.

Uma atividade comunitária

A Batalha do FDL foi abraçada pela comunidade, tornou-se uma atividade comunitária. Há o envolvimento desde os vendedores das barracas de lanches que estão localizados no final de linha ao morador que coloca um pula-pula para as crianças. As pessoas que estão indo comprar o pão ou comer o acarajé param e assistem as batalhas, contribuem com algum dinheiro, compram lances para as crianças.

“É uma atividade comunitária, feita por nós, para nós. A batalha demonstra o quanto a comunidade de Itinga é resiliente e consegue, através da juventude, criar alternativas de segurança para meninos e meninas da comunidade. Criar espaços seguros a partir de arte e cultura é garantir o acesso a direitos que foram negados. É mostrar que a comunidade tem jovens negros que são agentes de transformação social e estão dispostos a mudar a sua realidade local, através do hip-hop. A batalha é cuidado, participação, educação. É autonomia.  E é isso que nos motiva a construir junto com essa galera, porque sonhamos juntos e corremos atrás para realizar”, afirma o jovemFelipe Cigarra.

Esse mesmo sentimento é dividido pelo MC Cinalera, um adolescente que viu na rima um incentivo à cultura na favela.“Somos carentes de projetos culturais. A batalha fortalece esse laço cultural, por isso gosto de incentivá-la e busco inserir as crianças no projeto. Incentivo elas a rimarem. Rimar é uma coisa boa, é você se expressar, organizar o pensamento, é colocar pra fora o que sentimos. A roda cultural permite isso”, ressalta.

Juntos e misturados

A Batalha do FDL reúne crianças, adolescentes, jovens, homens e mulheres. Todos tratados com o mesmo respeito, com o mesmo direito a se expressar e a ocupar um espaço coletivo.

“Eu sempre acompanhava as batalhas observando, foi no FDL que participei a primeira vez fazendo rima. A participação das meninas é muito importante. Todas asvezes em que fui assistir ou participar diretamente sempre aprendi algo novo, pois a batalha vai para além do entretenimento. Ela é vida. É vivência. Esse é o papel da cultura hip-hop”, diz a MC Kelly Andrade.

O microfone da Batalha do FDL está aberto a todos e todas da comunidade sempre aos domingos, às 16h. Lá as pessoas podem acompanhar as disputas de rimas comendo um lanche, um acarajé ou saboreando um delicioso brigadeiro, que é vendido para ajudar na manutenção do espaço. De forma autônoma e independente, a Batalha do FDL vem se consolidado de mãos dadas com a comunidade, que viu nesse espaço coletivo um lugar seguro às crianças e aos jovens da comunidade de Itinga.

Confira

Acompanhe a Batalha do FDL no Instagram: @batalhafdl.

MÚSICA

GÍRIA VERMELHA LANÇA O ÁLBUM “BELA QUERIDA”

Treze anos após lançar o álbum “A Hora do Revide”, o grupo maranhense de rap Gíria Vermelha – formado por Hertz, Preta Lu, Verck e Luciana Pinheiro – apresenta o novo disco, intitulado “Bela Querida”.

São 15 faixas eletrizantes de uma realidade musicalizada por quem é parte dela e luta para transformá-la.O álbum conta com a participação de Marco Gabriel, Venny, Gugs, NicinhaGriot, Akil e GC.

“Bela Querida” está disponível em todas as plataformas digitais. Você pode ouvir também no canal do Gíria Vermelha no YouTube.