Convenção Nacional aprova chapa Vera e Raquel Tremembé Foto Romerito Pontes

Com muita animação e alegria, a Convenção Nacional do PSTU oficializou a chapa Vera e Kunã Yporã (Raquel Tremembé) à Presidência da República pelo Polo Socialista e Revolucionário. Cerca de 300 pessoas compareceram à sede do Sindicato dos Metroviários de São Paulo para participar deste momento histórico. Os filiados presentes aprovaram, por unanimidade, a chapa formada por uma operária negra e uma indígena, que defenderão nas eleições um programa socialista e revolucionário.

Juntos com a militância do PSTU e do Polo Socialista e Revolucionário, vamos apresentar um programa que responde às necessidades mais sentidas pela classe trabalhadora, os setores explorados e oprimidos e pobres de nosso país. Vamos combater Bolsonaro e seu projeto de ditadura, bem como o projeto de conciliação de classes capitaneado pela chapa Lula-Alckmin, encabeçado pelo PT, com o apoio do PCdoB e do PSOL. Vamos chamar a classe trabalhadora a construir uma alternativa independente, sem alianças com os patrões e a burguesia. Uma alternativa socialista”, disse Vera.

A indígena Kunã Yporã, também conhecida como Raquel Tremembé, agradeceu por compor uma chapa socialista e revolucionária com a Vera e pontuou sobre a importância da construção de uma alternativa com independência de classe, diante da crise do capitalismo.

Estamos presenciando talvez a maior crise do sistema capitalista e, com ela, se aprofundam a desigualdade social, os ataques aos direitos humanos e ao meio ambiente. Essa realidade de medo e crueldade não pode frear os revolucionários e os guardiães das florestas. Um novo horizonte é possível. Nosso primeiro passo é derrubar Bolsonaro nas ruas, não para defender a democracia dos ricos, mas para fortalecer os esteios de luta e enfraquecer a direita reacionária”, afirmou Tremembé.

Precisamos estatizar empresas, derrubar a tese do Marco Temporal, demarcar e titular os territórios indígenas e quilombolas, retomar o programa de reforma agrária, que vise distribuir terras economicamente produtivas aos pequenos produtores. Também é preciso expropriar terras utilizadas para reprodução do trabalho escravo, mineração ilegal e extração ilegal de madeiras. É preciso devolver aos povos extrativistas a gestão das unidades de conservação. Fortalecer a Funai, o Ibama, o ICMBio e o Incra. Todas essas reivindicações devem ser pautadas em unidade com os trabalhadores urbanos, em especial a classe operária”, completou a candidata a vice-presidente.

Vera também pautou a necessidade da unidade dos trabalhadores da cidade e do campo, dos explorados e oprimidos, dos povos originários e quilombolas, na defesa de reivindicações históricas e pelo socialismo. Pautas que serão defendidas “por uma chapa 100% feminina, que defende a destruição desse sistema que nos explora e oprime, e que faz a defesa de outra sociedade, justa e igualitária, uma sociedade socialista”.

 

Dia 16 vamos às ruas defender o voto no 16

No próximo dia 16 inicia-se oficialmente a campanha eleitoral. A militância do PSTU e do Polo Socialista e Revolucionário vai às ruas apresentar nossas candidaturas socialistas e revolucionárias e defender o voto no 16.

Vamos fazer agitação nas portas das fábricas, nas praças, nas escolas, nas universidades, nas ocupações populares, nos bairros periféricos, nas terras indígenas e quilombolas.

Chamamos os apoiadores a somarem conosco nesse dia. Entre em contato com a campanha e organize as atividades do dia 16 na sua cidade. Mande um zap: (11) 99197-5733.