Diante da repressão do Estado, mobilização, organização e luta popular!

PST-Honduras

O regime de JOH (Juan Orlando Hernández) se sente completamente ameaçado pela profundidade e amplitude da luta insurrecional que irrompeu no país de forma espontânea. Já são mais de 50 cidades em nosso país que realizaram ações que vão de mobilizações e concentrações massivas a bloqueio de ruas e organização de barricadas para impedir a passagem dos grupos repressivos. A resposta do regime diante da reivindicação legítima do povo foi um ataque às liberdades democráticas, principalmente ao direito de ir e vir. Além disso, declarou estado de sítio durante 10 dias, durante os quais a população não poderá transitar de forma alguma pelo território nacional das 6h às 18h.

Esta política tem como objetivo, por um lado, acabar com as ações de luta e, por outro, fazer com que retornemos aos nossos postos de trabalho, já que o horário de livre circulação coincide perfeitamente com a jornada de trabalho da maioria.

Desde que as liberdades democráticas foram restringidas e a repressão recrudesceu, a situação se tornou mais dramática: já são dezenas de detidos e feridos graves e foi confirmada a morte de pelo menos cinco pessoas, principalmente nas cidades de Choloma e La Ceiba.

O regime está mostrando sua pior face para poder garantir, a ferro e fogo, sua fraude eleitoral tão repudiável. Diante disso, nós, o povo, devemos responder com nossas melhores armas: a organização e a luta. O PST vem propondo que o povo aproveite todo o tempo que temos de livre circulação para manter as ações de luta, além de começar a realizar assembleias nos bairros, colônias e cidades, que preparem de maneira mais efetiva as próximas ações de protesto com o objetivo de impulsionar uma grande Paralisação Nacional e Popular por tempo indeterminado e insurrecional.

Se esta política for bem organizada, podemos fazer com que, pouco a pouco, a repressão do regime retroceda e podemos recuperar com a luta as liberdades que querem restringir. Assim foi feito em 2009, quando os toques de recolher não limitaram as ações de luta nos bairros mais organizados. A experiência que tivemos na noite passada com os panelaços é um exemplo muito bom, que mostra que com a rebeldia bem organizada podemos derrotar qualquer ataque que o regime queira impor.

Além disso, também é necessária a mais ampla solidariedade internacional com esta luta. Diante do estado de sítio que JOH nos impõe, precisamos sitiar internacionalmente este governo. É urgente que as organizações solidárias com o povo hondurenho realizem ações de pressão em todas as embaixadas nos seus países. E que exijam dos seus respectivos governos, se estes se reivindicam progressistas, ou pelo menos democráticos, que retirem imediatamente todos os seus embaixadores e sua representação diplomática e fechem suas embaixadas em Honduras.

Vamos encurralar este regime já, em nosso território e internacionalmente. Com esta situação, cada segundo que passa custa vidas valiosas de nosso povo. Por isso, não temos tempo a perder.

Nem mais um minuto de JOH no governo!

Processo e punição para JOH e sua quadrilha!

Abaixo o estado de sítio e todo tipo de repressão!

Nenhuma confiança no Tribunal Eleitoral nem nos observadores internacionais!

Paralisação Nacional por tempo indeterminado, com assembleias nos bairros e nos locais de trabalho!

Pela construção do partido revolucionário e socialista!

Tradução: Raquel Polla