Bahia: Governador Rui Costa (PT) privatiza a empresa baiana de alimentos (Ebal)

Foto Divulgação

O governador Rui Costa (PT) privatizou a Empresa Baiana de Alimento (Ebal). O leilão foi realizado no último dia 11, na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, no Centro Administrativo da Bahia (CAB). A empresa NGV Empreendimentos e Participações arrematou a empresa estatal por R$ 15 milhões, garantido a participação acionária da Ebal e os fundos de comércio relativos às 49 lojas da Cesta do Povo, além do direito de exploração da marca Cesta do Povo e o Programa Credicesta.

O PT entrega para a iniciativa privada uma empresa estatal que era responsável pela Cesta do Povo, programa social criado em 1979, que tinha o foco em subsidiar os principais produtos da cesta básica para tornar acessível à população de baixa renda.

A Cesta do Povo tornou-se uma rede de supermercados, chegando a estar presente em 242 municípios baianos com um total de 300 lojas. O processo de privatização total já tinha sido tentado em outros dois leilões, mas sem sucesso. O governo foi aos poucos fechando as lojas, demitindo funcionários até conseguir vender para a NGV Empreendimentos e Participações, empresa que tem sede em São Paulo e é liderada pelo investidor espanhol Ignacio Morales.

Rei das privatizações
O modo petista de governar é o mesmo da velha direita oligárquica. Privatizar é algo que Rui Costa sabe fazer muito bem. O governador do PT é o rei da privatização. Ele reformou o Mercado do Rio Vermelho e fez um acordo de exclusividade com a cervejaria Itaipava, a mesma cervejaria que hoje controla a Arena Fonte Nova.

O metrô já nasceu privatizado e ficará por 30 anos nas mãos do Grupo CCR. A Via Metropolitana, que ligará Estrada do Coco e CIA-Aeroporto, nasce privatizada, cobrará pedágio e a obra está destruindo uma histórica área quilombola da Bahia.

Em dezembro, Rui Costa inaugurou o Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus. O hospital abriu as portas já privatizado. Sua gestão foi entregue para o Instituto Gerir, que é réu numa ação civil pública no Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região na Paraíba por irregularidades trabalhistas. Em 2016, o Ministério Público do Trabalho e o Sindicato dos Médicos da Paraíba acionaram o instituto na Justiça por conta de atraso de salários, falta de registro de empregados em carteira profissional, jornada excessiva de trabalho e tratamento discriminatório na administração do Hospital Geral Dr. Antônio Hilário Gouveia, no município paraibano de Taperoá, e na maternidade Dr. Peregrino Filho, na cidade de Patos.

Um chamado à rebelião
Olhando para o governo da Bahia, não há dúvida de que o PT governa para os ricos e empresários, tanto quanto a direita. Rui Costa ataca os direitos dos trabalhadores; persegue o povo quilombo, como é o caso do Quilombo Quingoma em Lauro de Freitas; privatiza as empresas estatais e entrega o gerenciamento dos serviços públicos, como a saúde, nas mãos da iniciativa privada.

Precisamos fazer uma rebelião para derrotar Rui e a velha oligarquia, que serve à direita tradicional e serve também ao PT. O vice-governador, João Leão do PP, o mesmo partido de Maluf, é o típico coronel, daqueles que anda com chapéu de couro na cabeça e chicote na mão.

Nas eleições de outubro, Rui Costa irá se apresentar como um governo do povo para nos enganar, assim como o candidato do DEM e PSDB que não falará dos problemas sociais de Salvador. Não podemos confiar nas eleições que são um jogo de cartas marcadas, pois ganhe quem ganhe, não vai mudar a nossa vida. Só a organização dos trabalhadores em um polo de luta independente pode construir uma alternativa de poder para a Bahia e apontar o caminho para uma revolução negra, operária e socialista.