PA: Mais de 15 mil vão às ruas lutar por uma Belém livre

50
Mobilização do dia 17

Não se via uma mobilização tão forte na cidade há 10 anos

No dia em que milhares de pessoas foram às ruas no Brasil inteiro, a juventude e os trabalhadores de Belém também deram seu recado. Aproximadamente, 15 mil manifestantes marcharam e pararam a maior avenida da cidade para exigir uma #BelémLivre. O ato que inicialmente fora pensado para cobrar respostas sobre o BRT e em solidariedade aos estudantes de São Paulo e do Rio de Janeiro em luta contra o aumento das tarifas dos transportes públicos e contra a repressão policial extrapolou a pauta e revelou toda a insatisfação dos belenenses contra as injustiças sociais e a corrupção.  Assim como no resto do Brasil, a manifestação entrou para a história. Não se via uma mobilização tão forte na cidade há 10 anos.
 
A concentração do ato iniciou por voltas das 16h, na Praça do Operário, no movimentado bairro de São Brás, e seguiu, a partir das 18h, da Avenida Almirante Barroso até o Entroncamento. Foram mais de três horas de caminhada por um percurso de seis quilômetros, refletindo a indignação da juventude e dos trabalhadores com o descaso dos serviços públicos na cidade.
 
Para o vereador Cleber Rabelo, a luta contra o aumento das tarifas de ônibus e por um transporte público de qualidade foi apenas o estopim para que a população se indignasse. “Esse ato massivo é reflexo de todos os ataques que os trabalhadores recebem dos governos de plantão. Desde a educação, que não recebe investimento e por isso temos escolas públicas sucateadas, até a saúde pública que está um caos, com as pessoas morrendo na porta dos hospitais e mais recentemente com a morte de 25 crianças na Santa Casa (…) Essa luta é a luta pela melhoria dos serviços públicos”, disse.
 
Não é a Turquia, não é a Grécia. É o Brasil saindo da inércia
Além dos temas mais centrais como saúde, educação e transporte de qualidade, outros questionamentos foram levantados. A construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, as obras da Copa do Mundo e a corrupção também foram alvos de diversas palavras de ordem dos manifestantes que questionavam a prioridade dos investimentos dos governos Federal, Estadual e Municipal. “A população brasileira, principalmente hoje, toma para si os exemplos da Turquia, Grécia e Síria e questionam a ordem deste sistema. A juventude e os trabalhadores de Belém e do Brasil mostraram que tem força e capacidade para resistir e lutar contra aqueles que os oprimem e massacram diariamente”, afirmou Rabelo.
 
Unificar as lutas… contra os governos!
Infelizmente, durante a gigante manifestação, alguns setores se indignaram mais com as bandeiras do PSTU do que com o descaso com os serviços públicos. Levantando a questão “apartidária”, tais setores construíram, durante o ato inteiro, um outro ato: contra os militantes do partido. Foram vaias, xingamentos e ameaças aos militantes que estavam tentando somar a luta. Entendemos a desilusão de ativistas honestos com os partidos políticos sujos na lama da corrupção. Mas afirmamos que o PSTU sempre esteve nas lutas em defesa dos trabalhadores contra a falta de investimentos na saúde, educação e moradia; contra as privatizações e terceirizações; contra o sucateamento dos serviços que deveriam ser gratuitos e de qualidade à população. 
 
Segundo Cleber Rabelo, essas atitudes, além de perigosas, mais enfraquecem o movimento do que, de fato, o constrói. “O discurso ‘anti-partido’ tem um lado e nós não podemos nos enganar. É o lado dos empresários, dos ricos e poderosos que sempre nos dizem para não nos metermos em política. O nosso partido atua ao lado dos trabalhadores há quase vinte anos e faz parte da construção de milhares de greves, atos, ocupações. Temos orgulho disso e continuaremos levantando a nossa bandeira e a bandeira do socialismo”.