Ceará: Trabalhadores da Habitare completam um mês de greve

600

Os cerca de 130 trabalhadores que prestam serviço na construtora Habitare, em Fortaleza estão parados há um mês porque não estavam recebendo os salário, a cesta básica, e o vale transporte. Além de que muitos trabalhadores não tem nenhum depósito de FGTS.

Durante os últimos 30 dias, a empresa fez todo tipo de promessa para enganar os trabalhadores. Garantiu várias vezes que sairia o dinheiro e nada. Até que essa semana conseguimos uma vitória parcial com o pagamento de parte dos atrasados.

A situação já está muito difícil, eu pago aluguel e o proprietário da casa não quer saber se a firma está atrasando. Se não fosse a cesta básica que o sindicato nos deu já não tinha mais comida em casa. A empresa pagou uma parte dos atrasados que não dá nem pra por em dias as contas vencidas, a solução é continuar lutando”, relatou um trabalhador que preferiu não se identificar.

Não é a primeira vez que isso acontece na Habitare. Alguns anos atrás os trabalhadores tiveram que fazer uma greve tão forte quanto esta para que fossem regularizados os pagamentos. No fim da greve, a empresa ainda fez por onde criminalizar os trabalhadores que lutaram e demiti-los.

O que estão fazendo com os trabalhadores da Habitare é o mesmo que o Temer e os patrões querem fazer com os trabalhadores do país inteiro. Eles querem que nós paguemos a conta de uma crise que não fomos nós que criamos. Por isso atrasam salários e tentam cortar os nossos direitos. Vamos continuar lutando para que se regularize todos os atrasados na Habitare, sem esquecer que nossa luta é ainda maior, temos que barrar as reformas que o Temer e os patrões querem fazer no país”, alertou Francisco Gonzaga, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil que está acompanhando a greve e militante do PSTU.

Está marcada para a próxima segunda-feira uma assembléia para que os trabalhadores decidam os próximos passos da greve.