Violência do agronegócio tira a vida de indígena em Guaíra

Protesto de indígenas em Guaíra no dia 2 de outubro

Punição aos criminosos já! Pelo fim da violência! Demarcação das terras Já!

Na noite de sábado (23/11) um grupo de indígenas da aldeia Tekohá Mirim em Guaíra(no estado do Paraná, a 643 km da capital) foi vítima de um violento ataque com arma de fogo. Eles voltavam para casa quando 3 pessoas em um carro passaram atirando. O indígena Bernardino Dávalo Goularte levou 3 tiros e acabou falecendo; uma criança de 11 anos também levou tiros e está hospitalizada. Os outros menores conseguiram escapar dos disparos. O fato aconteceu em uma avenida de Guaíra, próximo a um posto policial. Tudo indica que tenha sido uma tentativa de chacina, pois os integrantes do carro chegaram atirando e, à tarde, durante um jogo de bola, os indígenas haviam sido ameaçados por um homem que mostrava arma de fogo e dizia que “ao menos um índio iria morrer naquela noite”.
 
Esse é mais um fato lamentável que mostra a violência do agronegócio. O que ocorreu em Guaíra no último final de semana não foi algo isolado. Os indígenas estão sofrendo ameaças constantes nas aldeias e em outros lugares. No início do ano, uma indígena foi atropelada propositalmente em frente à rodoviária de Guaíra por um carro a 120 Km por hora. Ela acabou morrendo. Também ocorrem outras tentativas de atropelamento, onde os motoristas “jogam” o carro em cima dos indígenas, além de tentativa de estupro. Essas informações acima foram relatadas pelos indígenas durante visita realizada no último domingo (24). Ou seja, temos em Guaíra uma situação semelhante ao que ocorre no Mato Grosso do Sul, onde são constantes os assassinatos de indígenas e onde os fazendeiros estão leiloando gado e outros bens para contratar “empresas de segurança”. 
 
Desde o início do ano está sendo feita uma campanha difamatória contra os indígenas na região Oeste do Paraná. Isso tem aumentado o preconceito e está sendo utilizado para tentar legitimar a violência contra os indígenas. Essa difamação é articulada por órgãos da imprensa, políticos de vários partidos ligados ao agronegócio, cooperativas e algumas outras empresas. Podemos ver isso novamente agora, pela cobertura tendenciosa de alguns órgãos da imprensa sobre a violência ocorrida no último final de semana.
 
Políticos da Direita e Governo Federal estão aliados contra a luta indígena:
Os ataques aos direitos dos povos indígenas partem hoje de vários políticos, a maioria de partidos como PSD, DEM, PSDB, PMDB, PP e em alguns casos também do PT e PCdoB. Aqueles que atacam os indígenas são políticos que fazem parte ou defendem o agronegócio e, na época da eleição, recebem financiamento desse setor. Em nome do lucro, o agronegócio não pensa duas vezes para tirar a vida dos indígenas. Somente no período em que o PT está no governo Federal 560 indígenas foram assassinados (dados do Conselho Indigenista Missionário – CIMI, até maio de 2013). Mais até que no governo de FHC! O governo Federal também ataca os direitos indígenas e está sendo cúmplice da violência, pois aprovou o novo código Florestal que permite a devastação das florestas, dá todo tipo de incentivo financeiro ao setor do agronegócio e recentemente a Ministra Gleisi Hoffmann suspendeu os processos de demarcação de terras indígenas.
 
Em alguns casos a violência parte de órgãos do próprio governo Federal, como aconteceu em Sidrolândia (MS), onde a Polícia Federal matou um índio da etnia Terena em maio deste ano durante reintegração de posse na fazenda Buriti.
 
Pelo fim da impunidade e pela demarcação das terras indígenas!
O assassinato de Bernardino, a tentativa de assassinato de uma criança de 11 anos, o atropelamento seguido de morte de uma indígena, as ameaças e tantos outros casos de violência contra os indígenas não podem ficar impunes. É preciso punir imediatamente os criminosos! O governo Federal, o governo do Estado e todos os ocupantes de cargos políticos do Paraná precisam se posicionar exigindo a punição dos crimes ocorridos em Guaíra.
Não podemos permitir essa escalada da violência contra as populações indígenas. É preciso que seja retomado imediatamente o processo de demarcação das terras. A não demarcação das terras e a impunidade só irão encorajar ainda mais os criminosos. É preciso que todas as entidades e movimentos que apóiam os indígenas se posicionem exigindo a punição dos criminosos, a demarcação das terras indígenas e o fim de projetos do agronegócio como a PEC 215.
 
Infelizmente a luta dos oprimidos muitas vezes é marcada com sangue. Mas a luta continua e é sempre renovada a cada geração! Os povos Guarani de Guaíra e região, assim como os indígenas de todo país já demonstraram muitas vezes que seu espírito de luta não morre! Bernardino está presente!
 
–  Pelo fim da violência contra os indígenas!
–  Pela punição aos assassinos!
–  Demarcação imediata das terras indígenas!
– Abaixo a PEC 215!
– Respeito à cultura indígena!