Vale anuncia corte de 5 bilhões de dólares em investimentos para 2009

Queda na demanda por minérios deve ter reajustado planos da mineradoraA mineradora privatizada Vale do Rio Doce divulgou nesse dia 20 de maio um profundo corte nos investimentos previstos para 2009. A decisão partiu do Conselho de Administração da empresa e, segundo seu comunicado, deve atingir 27% ou 5,2 bilhões de dólares nos investimentos previstos para este ano. A revisão do orçamento prevê a diminuição nos investimentos dos 14 bilhões de dólares definidos em outubro do ano passado para 9 bilhões.

Apesar de a mineradora alegar a valorização do real (ou seja, precisará de menos reais para os gastos em dólares), o que deve ter derrubado os investimentos é o aprofundamento da crise e a conseqüente queda da demanda por minério. A empresa alega ainda atrasos em licenças ambientais para justificar os cortes.

A redução no valor dos investimentos da empresa este ano deve ser mais um capítulo da crise e seu reflexo na economia do país. As empresas voltadas á exportação, como a Vale e Embraer foram as primeiras a sentirem os efeitos da recessão, e as primeiras a demitirem em massa.

Nesse primeiro trimestre do ano, a produção de minério de ferro caiu quase 26% em comparação ao mesmo período de 2008. O corte atingiu da empresa na área de minério caiu quase pela metade. De 4,1 bilhões de dólares foi para 2,3.

Os lucros também caíram, mas continuam altos. Enquanto que no quarto trimestre de 2008 a mineradora lucrou R$ 10,4 bilhões, nesse primeiro trimestre seus lucros superaram os R$ 3 bilhões. Em conversa com sindicatos, a empresa chegou a ameaçar a deflagração de uma nova onda de demissões em massa.

Revendo projetos
Os cortes nos investimentos da mineradora pode indicar ainda uma mudança dos planos da Vale de transferir grande parte da produção de Minas Gerais para o Pará, aonde funcionam as minas de Carajás e Serra Sul. Os projetos de expansão dessas duas minas foram prorrogados. Segundo a própria empresa, parte dos cortes decorre do “alongamento dos cronogramas de alguns projetos”.

A transferência da produção para o Pará visa a reduzir ou até mesmo desativar minas no estado mineiro, acarretando grande impacto a municípios como Itabira.