UNE recebe milhões do governo

A informação divulgada pela grande imprensa sobre o dinheiro público que é destinado à UNE apenas prova que a entidade está cada vez mais atrelada ao governo e ao próprio Estado. A UNE recebeu R$ 1,185 milhão do governo neste ano, apenas até agosto, praticamente o dobro dos recursos de 2003 ou 2004.

Apenas em julho a entidade recebeu R$ 772.900, mais do que os R$ 600 mil recebidos em todo o ano de 2003 e que os R$ 599 mil repassados pelo governo federal em 2004. Os repasses milionários à entidade são parte de um convênio entre a UNE e o Ministério da Cultura para financiar o Circuito Universitário de Cultura e Arte em São Paulo, Paraná e Campina Grande.

A UNE também recebeu R$ 50 mil do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para financiar o congresso anual da UNE, ocorrido em junho. Durante este mesmo congresso, uma marcha de apoio ao governo foi realizada, convocada pela CUT, UNE e MST. Outros R$ 413 mil que saíram dos cofres públicos para a UNE também foram usados no congresso, segundo Gustavo Petta, presidente da entidade. Petta diz que os repasses são feitos desde o governo Fernando Henrique. Com a eleição de Lula, houve um crescimento visível.

Taxa de delegados somaria R$ 750 mil
Gustavo Petta diz que a maior parte do dinheiro vai para financiar o congresso. Porém, ele não diz que, para participar do evento, os estudantes também pagam taxas a cada ano mais altas. O valor dessa variou de R$ 30 a R$ 60 em 2005, para os mais de 15 mil participantes que estiveram no evento. Significa que, calculando-se com uma média de R$ 50, só com a taxa, a UNE arrecadou cerca de R$ 750 mil para garantir a estrutura do congresso. Fora isso, a UNE ainda arrecada com a confecção de carteirinhas e com as gordas verbas que saem dos cofres públicos. Para onde foi tanto dinheiro?

A CUT, por sua vez, não fica atrás e também tem grandes interesses em apoiar o governo a qualquer custo. Além de ganhar um ministério, a central recebe cerca de R$ 100 mil mensais como patrocínio do Banco do Brasil ao programa de TV da CUT, isso sem falar em outros patrocínios, convênios e na fatia do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A própria reforma Sindical, defendida com entusiasmo pelo governo e pela central, deve multiplicar muitas vezes a arrecadação cutista. É dinheiro que não acaba mais!

Com isso, não é difícil entender porque a UNE está apoiando tanto o governo Lula, mesmo com sucessivos ataques à educação, como cortes de verbas e a reforma Universitária. Por essas e outras, a UNE pretende levar estudantes a Brasília para um ato governista junto com a CUT.