Um programa dos trabalhadores e da juventude para enfrentar a pandemia

Rebeldia, Juventude da Revolução Socialista

Os números de casos de coronavírus no Brasil começaram a aumentar. Ao redor do mundo, já são mais de 121 mil casos com mais de 4300 mortos. No brasil já passa de 70 casos. Todos sabem que em algumas semanas teremos um crescimento rápido da doença como apontam vários especialistas.

Entretanto, a mesma lerdeza que a OMS teve para declarar a pandemia, o governo Bolsonaro tem para tomar medidas contra o avanço do vírus. O governo finge que nada está acontecendo porque quer a economia funcionando minimamente para garantir 1% de crescimento do PIB este ano. Trata-se de business, de ganhar dinheiro. Para os capitalistas o lucro está acima de tudo, até da vida e da saúde pública.

Lembremos que na Itália os corpos estão literalmente se amontoando. E se isso acontecer no Brasil não adianta culparem a biologia, o vírus ou o que quer que seja. A própria OMS afirma que sua preocupação se refere à gravidade, a propagação rápida e a inação. E a inação do governo Bolsonaro é evidente.

O principal problema no Brasil é sufocamento das verbas da saúde com o teto de gastos. Hoje não há recursos cotidianamente para a saúde do povo imagina agora diante de uma pandemia. Sem acabar com o teto de gastos, sem colocar dinheiro na saúde pública o quanto antes, o país sofrerá e muito. Para isso tem que parar de pagar a dívida pública. Ampliação e construção imediata de milhares de leitos e UTIs para dar acesso decente a tratamento para todos.

Trump e Bolsonaro dizem não estarem preocupados. Claro, eles têm à disposição os melhores médicos, hospitais, recursos e tratamentos. Agora imaginem a maior parte do povo brasileiro que já sofre diariamente com as péssimas condições da saúde. Uma portaria do governo federal torna obrigatório o isolamento domiciliar para os infectados pelo vírus. Isso para os ricos é fácil. E para os mais pobres, que tem que sair de casa todo dia para trabalhar? E os empregos serão garantidos? Por isso é preciso que o governo garanta a estabilidade no emprego para todos durante a epidemia. Imaginem quarentena e isolamento nas periferias brasileiras onde em muitos lugares sequer a saneamento básico.

Os governantes são tão caras-de-pau que saíram logo querendo proibir manifestações, usando o vírus como desculpa para uma medida autoritária. Mas por que não exigem também que o país suspenda todas as aglomerações para evitar o contágio? Suspender as aulas nas escolas e universidades e demais atividades que aglomeram muita gente como a produção fabril, etc. Na USP apareceu o primeiro caso. E, ao contrário dos demais países que suspenderam aulas e atividades, o governo finge que nada está acontecendo, ou que está tudo sob controle.

Por isso, os trabalhadores e os estudantes, o movimento estudantil e sindical, devem transformar o dia 18 que seria um dia de manifestações contra os ataques do Bolsonaro à educação, emprego, direitos e em defesa das liberdades democráticas, em também um dia de paralisações da educação e demais setores, rumo a uma paralisação geral no país. Não só para exigirmos nossos direitos como também para mostrar a esse governo que exigimos medidas de proteção contra o coronavírus e mais investimentos em saúde pública.

A famosa máxima liberal de que o mercado é o melhor meio para regular e atender as necessidades do povo mostra agora a que veio. Sem contar que os capitalistas estão calculando o que é mais vantajoso para a economia: deixar uma parte da população morrer ou tratá-los. E, para além das quedas na bolsa, dólar nas alturas e possibilidade de recessão, daremos apenas um exemplo concreto.

A OMS fez um alerta sobre a falta de equipamentos de proteção contra o coronavírus como máscaras. Um órgão de saúde dos EUA pede para que parem de comprar. O motivo? Pois assim teremos escassez e os preços subirão. Ou seja, o capitalismo diante da pandemia não garante sequer equipamentos básicos de proteção a todos. Fora que há muitas empresas ganhando muito dinheiro com a pandemia, como o político japonês que pediu desculpas depois de ter faturado muito especulando e leiloando máscaras de proteção. Diz a propaganda da burguesia que o capitalismo é o melhor sistema possível. Diante de uma pandemia é possível constatarmos mais nitidamente toda a sua perversidade e irracionalidade.