Um governo construído nos movimentos sociais e sindicais e com a juventude trabalhadora

Cyro Garcia, 47 anos, é Bacharel em Direito pela UFRJ e Mestre em História pela UFF. É funcionário do Banco do Brasil e professor universitário. Foi um dos fundadores do PT e da CUT na década de 80, foi presidente do Sindicato dos Bancários do Rio entre os anos de 1988 e 1991 e por três gestões membro da executiva nacional da CUT. Na época em que foi Deputado Federal apresentou projeto de lei contra a privatização da Light, projeto este apoiado na organização e na luta dos eletricitários do Rio de Janeiro.

Fundou o PSTU em 1994, desde então preside o partido no estado. Atualmente é diretor do Sindicato dos Bancários. Aparece hoje em com 3% dos votos nas últimas pesquisas na disputa para o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Cyro apresenta em seu programa posições contundentes contra o pagamento da dívida externa e o fechamento do novo acordo com o FMI. Para ele, estas questões embora de âmbito nacional se refletem diretamente na vida de cada trabalhador carioca, isto se exemplifica na lei de responsabilidade fiscal que aparece como uma medida moralizadora de gastos nos estados, porém, é na realidade, o corte dos investimentos em saúde, educação e emprego para garantir o pagamento das dívidas interna e externa.

Cyro Garcia também é, intransigentemente, contra a implantação da ALCA – Área de Livre Comércio da Américas, outra questão aparentemente nacional, mas que reflete diretamente na economia do país causando estragos no cotidiano da vida de cada brasileiro.

Para Cyro é urgente e necessário construir um governo discutido e construído com os movimento sociais e sindicais e com a juventude trabalhadora. Que tenha posições claras em relação a economia do país e do estado, e que tenha o compromisso de democratizar seu governo priorizando a área social, que não vacile em romper relações com aqueles que querem massacrar os trabalhadores para manter seus lucros, como é o caso dos banqueiros, latifundiários e as multinacionais.