Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.
Rosa Luxemburgo

Armar politicamente a juventude através dos grupos de discussão e de estudos marxistas para derrotar Bolsonaro

A atual situação política, econômica e sanitária que se encontra o Brasil é de extremo caos. O Governo Bolsonaro pressiona os setores da classe trabalhadora promovendo uma série de políticas de arrocho que mexem com o bolso da população brasileira, mas garante o lucro dos banqueiros e das empresas multinacionais, exemplo disso é a aprovação da reforma da previdência e a tentativa de aprovação da reforma administrativa (PEC 32/2020) que ataca os setores mais vulneráveis do serviço público.

Alinhado a essas políticas de precarização, ainda temos a postura negacionista do governo frente a pandemia da Covid-19, que segue ainda mais desenfreada e violenta no ano de 2021. Desde o início Bolsonaro adotou uma postura de negar que o vírus causará mortes em massa e que defender a economia era mais importante, levando o discurso de “a economia não pode parar”, forçando a massa de trabalhadores, aqueles e aquelas que produzem toda a riqueza do país, a saírem de casa arriscando-se a serem infectados e morrerem no transporte público, principalmente os setores mais oprimidos da população como os negros e negras e as LGBT’s, que são os que estão nos piores postos de trabalho e na informalidade, enquanto o empresariado mantém os seus lucros em cima das nossas vidas.

Chegamos no total 386.416 mortes – segundo o Painel Coronavírus do Ministério da Saúde, atualizado no dia 23/04/2021 – e Bolsonaro mantém sua postura genocida defendendo um tratamento precoce com hidroxicloroquina, ivermectina etc., o chamado “Kit Covid”, que não tem comprovação científica, atestado por diversas agências internacionais, e confirmada a sua ineficácia. Enquanto isso, os trabalhadores e trabalhadoras e a juventude da periferia seguem morrendo sem ter como se protegerem e sem acesso às políticas públicas – auxílio emergencial, materiais de higiene, garantia dos seus empregos, renda e saúde de qualidade – para que possam permanecer em casa e salvaguardar suas vidas.

O vírus não tem classe, mas os que estão morrendo são os trabalhadores que sofrem os impactos do sucateamento dos serviços públicos pelo teto dos investimentos. E dentro dessas mortes a população negra está muito mais exposta ao vírus, onde as mulheres e homens negras e negros têm um percentual de morte muito maior, demonstrando da pior forma como o capitalismo atua e direciona suas políticas, principalmente no momento delicado ao qual o nosso país e o mundo estão atravessando. Bolsonaro não recua e segue com o genocídio do povo brasileiro, seguindo à risca a cartilha do grande capital internacional, onde o lucro está acima da vida.

Mas Bolsonaro não age sozinho! Os governadores e prefeitos também têm sido responsáveis pelo genocídio do povo pobre, da periferia, ao negar assistência aos setores mais vulneráveis e seguir as políticas de Bolsonaro. A região Nordeste, que vive uma situação diferente às demais, pois em sua maioria é governada por representantes de Frente Popular – que são partidos e organizações que defendem e agem junto com setores ditos progressistas da burguesia, afirmando que apenas dessa forma é possível alcançar ganhos nos setores político, econômico e social, criando um bem-estar para a população em geral, retirando o protagonismo da classe trabalhadora nos processos –, onde os partidos como PT, PCdoB, PSB estão e que se colocam como oposição a Bolsonaro,  mas, na prática, também seguem as suas políticas de forma mais velada. Apesar de terem soberania para determinar restrições e assegurar a vida da população, seguem mantendo tudo funcionando e implantando falsas medidas, sem efeito prático, para continuar a manter o lucro daqueles que os elegeram – os empresários –, tendo direta responsabilidade no aumento de pessoas contaminadas e, consequentemente, suas mortes.

Dentro desse cenário, a juventude segue sendo massacrada pela falta de empregos, de educação e perspectiva de vida. A periferia segue sendo morta pelas operações policiais e por não ter o que comer no dia seguinte. Segue sem uma educação pública de qualidade, que continua em um processo de sucateamento com a implantação do falso e ineficaz EAD, mantendo a juventude – os filhos e filhas da classe trabalhadora – fora desse espaço. Segue sem acesso à vacina, que é dificultada de todas as formas pela política desse governo genocida, atrasando sua compra e distribuição, para que não chegue a todos.

Em meio a esse cenário, se faz mais do que necessário reorganizar e armar a juventude politicamente para o enfrentamento contra o governo Bolsonaro! A estagnação das lutas nas ruas por qual atravessamos por conta da pandemia nos coloca desafios enormes e que são urgentes debatermos, como a quebra das patentes das vacinas para que seja garantida a vacinação para toda a população, bem como a luta e construção de um novo modelo de sociedade, onde a vida humana esteja acima do lucro, uma sociedade socialista. Com isso, o Rebeldia Nordeste vem apresentar esses espaços para construirmos os caminhos onde a juventude aponte uma saída para o Brasil que passe pela organização dos trabalhadores e trabalhadoras para lutar. Trazemos à juventude a organização do GRUPO DE DISCUSSÃO DO REBELDIA NE, para que possamos discutir juntos os problemas que a sociedade enfrenta e as propostas para superá-las. Alinhado a este projeto, trazemos também, a formação do GRUPO DE ESTUDOS MARXISTAS, para estudarmos em conjunto as produções teóricas dos clássicos marxistas e avançarmos na nossa consciência revolucionária.

Vem debater com o Rebeldia a saída para o Brasil e para o Mundo! Organize sua Rebeldia!

FORA BOLSONARO E MOURÃO! AUXÍLIO EMERGENCIAL PARA OS DESEMPREGADOS

VACINA PARA TODOS JÁ!

POR UMA GREVE GERAL SANITÁRIA!