Foto: Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região

Edu Henrique Silva, do PSTU da Sul

Na última quinta-feira (18/08), operários da Cinpal, fábrica responsável pela produção de autopeças de carros e caminhões no município do Taboão da Serra, grande São Paulo, entraram em greve após a empresa se recusar a atender as reivindicações dos trabalhadores. Entre elas estão a construção de um refeitório, pedido negligenciado pela patronal.

O PSTU apoia integralmente a luta dos operários e operárias que, assim como os trabalhadores da Avibras em São José dos Campos, enfrentaram a patronal com luta direta.  É a classe operária que tudo produz, enquanto os patrões vivem do trabalho alheio. É necessário seguirmos o exemplo dos operários da Cinpal, construir uma luta nas ruas, independente dos projetos de conciliação de classe representados por Lula e Alckmin, que do alfinete ao avião, pare toda a produção contra a carestia, a fome e o desemprego provocados pelo governo Bolsonaro.