Rodoviários do Amapá enfrentam unidade da prefeitura do PT com empresários de ônibus

Há seis meses motoristas e cobradores travam uma dura batalha contra a quase falida empresa de ônibus Estrela de Ouro. O sindicato da categoria, SINCOTTRAP, por várias vezes denunciou à Prefeitura e a Justiça a situação caótica da empresa, e pedia imediata intervenção, mas nada era feito.

Teve-se que ocupar o sindicato patronal, enfrentar a polícia de choque do governo Waldez (PDT) e fazer atos de rua para tornar pública a gravidade do caso.

A prefeitura, acuada, cedeu a linha às outras empresas, e num jogo de marketing político, alardeou na imprensa que “nenhum pai de família ficaria sem seu emprego”. Conversa fiada, pois, passados três meses, apenas um punhado de companheiros havia sido reconduzido ao trabalho. Novamente entrou em cena o sindicato que com o apoio dos desempregados forçou a recontratação imediata de 142 trabalhadores.

Receosos de terem dirigentes sindicais e ativistas combativos na base de suas empresas, os donos de ônibus fizeram uma “seleção”, deixando de fora algo em torno de 50 companheiros. Essa conspiração está difícil de ser revertida, pois, temos provocado a prefeitura a se posicionar, mas esta vem se omitindo descaradamente. Para piorar, a DRT/AP, que também é dirigida por petistas, afirma agora que o sindicato tem “pendências” na sua documentação, tornando-o sem legalidade.

Está claro que a luta dos rodoviários vem incomodando muita gente, inclusive os planos do prefeito que é se reeleger. “Só uma grande campanha nacional dos sindicatos que possuem independência frente ao governo Lula fará com que os trabalhadores que ainda não foram contratados, retornem ao serviço. Para isso, pedimos que todos enviem moções aos órgãos governamentais exigindo justiça”, declaram Joinville Frota e Carlos Cley, diretores do SINCOTTRAP e militantes do PSTU.

O sindicato solicita que sejam enviadas mensagens de protesto exigindo a readmissão de todos os rodoviários. Os faxes podem ser enviados para os números abaixo, com cópia para o telefone (096) 225-4886.

DRT/AP – Fax: 223-8454
Prefeitura de Macapá [Gabinete] – Fax: 213-1010
Justiça do Trabalho – Fax: 222-1397

SAIBA MAIS

  • [22/12/2003] Rodoviários do Amapá são violentamente agredidos pela polícia do governador Waldez Góes (PDT)