Repúdio à violência no Congresso Nacional

`RogérioOs servidores públicos federais, em greve desde o dia 8 contra a reforma da previdência contida na PEC 40, foram surpreendidos nesta quarta-feira pela truculência da polícia militar que, juntamente com a segurança da casa cercou a Câmara dos Deputados impedindo o acesso do povo aos deputados que, enclausurados votavam atropeladamente o referido projeto.

Convocados pelo Presidente da Câmara, Deputado João Paulo Cunha, soldados do Batalhão de Operações Especiais reprimiram violentamente manifestação dos servidores que impedidos de entrar num prédio público curiosamente chamado de “casa do povo” se concentravam na porta do Anexo II. Os servidores Evaristo Luciano Rosa e Rogério Marzola, da UNB, diretor da FASUBRA, foram agredidos e arrastados por soldados para dentro do prédio. Rogério foi levado para uma sala de detenção no subsolo do anexo II, de onde só conseguiu sair depois de localizado por deputados que o encaminharam ao serviço médico da Câmara para tratar dos ferimentos causados pelo selvagem espancamento. Policiais Militares circulavam durante todo o dia dentro das instalações da Câmara extrapolando sua competência legal e promovendo repressão gratuita e violenta a servidores públicos que só tentavam exercer seu direito de livre manifestação.

O Comando Nacional Unificado de Greve dos Servidores Públicos Federais (CNUG) repudia a truculência utilizada neste episódio com o intuito de aprovar apressadamente, sem discussão com a sociedade, um projeto nefasto aos interesses nacionais e dos trabalhadores brasileiros. A violência da repressão hoje vivenciada pelos servidores nas dependências do Congresso Nacional, lembraram a forma com que eram tratadas as manifestações populares nos tempos da ditadura militar. Da mesma forma causou estranheza a todos o fato de que, desta vez tais medidas foram ordenadas por quem até bem pouco tempo cerrava trincheiras com os trabalhadores contra todo o tipo de repressão.

Os fatos ocorridos e os métodos empregados, ao contrário de desestimular os servidores, reforçaram a certeza de que nossa luta é justa, árdua e que estamos no caminho da vitória.

Abaixo a repressão! Pelo restabelecimento da Democracia!

Brasília, 23 de julho de 2003.

Comando Nacional Unificado de Greve dos SPF