Plenária nacional vota continuidade da luta contra a reforma da Previdência

Após a poderosa greve do início deste semestre, que foi marcada por grandes marchas à Brasília – como a que reuniu mais de 70 mil no dia 6 de agosto –, os servidores federais continuam a luta contra a privatização da Previdência, agora com novo round no Senado Federal.

Reunidos em Plenária Nacional no dia 11, os servidores aprovaram um calendário de lutas que aponta para mobilizações nos estados, em Brasília e no Fórum Social Brasileiro, em Belo Horizonte (MG) (quadro abaixo).

Lula rompe acordos de greve e parte das direções aplaude

Os representantes do governo vêm apresentando propostas rebaixadas na reconfiguração das carreiras do serviço público, rompendo acordos, buscando economizar para o superávit primário.

Mais lamentável é o papel de direções que estão defendendo as propostas rebaixadas do governo nas assembléias, o que só explicita o caráter governista de algumas direções sindicais no serviço federal. Foi assim na ASSIBGE/SN, onde a maioria da Executiva Nacional defendeu uma proposta de parcelamento do reajuste na GDACT (Gratificação com Avaliação de Desempenho) de 50% até o ano de 2005 e na FASUBRA, onde o PCdoB e a Tribo (identidade da Articulação no setor), defenderam um reajuste miserável de 5% em média este ano, à título de “recomposição salarial”. Os militantes do PSTU, na base e direção dos sindicatos, defenderam a rejeição de tais propostas e propuseram a mobilização da categoria.

Previdenciários vão parar dia 5 de novembro

Na Previdência, o governo está rompendo com o acordo de pagamento de 47% do PCCS, acertado na greve de 2001 e reafirmado ao final da greve deste ano. Seguindo a mesma lógica de FHC, o governo Lula promete mas não cumpre. Neste caso, está revendo a proposta de extensão do benefício para os funcionários da saúde e Delegacias Regionais do Trabalho. O governo quer combinar a extensão do benefício à implantação de um sistema de avaliação de desempenho. Através deste sistema, nem todos terão direito ao reajuste integral e os benefícios não serão estendidos aos aposentados e pensionistas.

Em plenária nacional, no dia 10, os trabalhadores da Previdência aprovaram uma mobilização nacional, tendo como referência uma paralisação nacional em 5 de novembro.

Calendário aprovado na plenário nacional dos servidores

  • 23 de outubro
    Atos públicos dos servidores federais, estaduais e municipais nos estados

  • 28 de outubro
    Dia Nacional de Luta, com indicativo de paralisação e ato público em Brasília

  • 6 a 9 de novembro
    Passeata contra a privatização da Previdência, no Fórum Social Brasileiro

    Post author Paulo Barela,
    de Brasília (DF)
    Publication Date