No final da tarde do último sábado (21/11), mais um caso de racismo aconteceu no país, agora na cidade de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.

Um homem branco entrou numa farmácia da rede Panvel e começou a proferir ofensas racistas contra uma funcionária negra, dizendo para ela se pôr no lugar dela pois ela era negra. Nesse momento, Arthur Bispo, ex-candidato à Prefeitura de Passo Fundo pelo PSTU e militante do movimento Quilombo Raça e Classe, interveio em defesa da funcionária e também foi alvo dos mesmos xingamentos racistas.

Quando foi questionado por Arthur, o agressor racista saiu da farmácia, mas seguiu proferindo xingamentos racistas na rua. Instantes depois, dois vigilantes da empresa Inviolável contratada pela farmácia Panvel, estiveram no local e foram ao encontro do agressor. No mesmo instante, uma viatura da Brigada Militar também passou pelo local e conversou com os vigilantes, mas não detiveram o agressor racista.

Arthur e militantes da Central Sindical Popular (CSP-Conlutas) que estavam no local filmam o agressor sendo liberado pela equipe de vigilância. Como o vídeo mostra, indignado por Arthur ter saído em defesa da funcionária negra, o racista se vira para Arthur Bispo e diz: “tu que se meteu, que o negócio não era contigo, tu que se meteu, negrão. Tu te bota no teu lugar, te bota no teu lugar”.

E como se não bastasse, ainda faz ameaças para Arthur e faz questão de exaltar sua cor branca: “Uma hora vamos se encontrar nós dois, de homem pra homem. Tu é preto e eu sou branco, tu é preto eu sou branco, eu sou branco – olha meu sobrenome”.

O homem foi embora sem ser identificado, e sem ser detido pela polícia.

A diferença de tratamento dado a um racista branco e a um trabalhador negro

Este episódio aconteceu apenas dois depois do brutal assassinato de João Alberto Freitas, dentro do supermercado Carrefour de Porto Alegre (RS).

Chama a atenção que, enquanto o trabalhador negro João Alberto foi rendido e brutalmente espancado por dois vigilantes do Carrefour – com a cobertura de uma funcionária do supermercado – o racista de Passo Fundo insulta uma funcionária negra, insulta Arthur Bispo, lhe faz ameaças, mas sequer é contido pela vigilância da Panvel, que deveria ter detido o agressor racista e imediatamente acionado a Polícia Militar para registrar um boletim de ocorrência e levar o racista de Passo Fundo para a delegacia.

Isso revela, mais uma vez, o nítido contraste no tratamento dado aos racistas brancos e aos trabalhadores negros. Para agredir, prender e até matar negros trabalhadores e pobres não precisa de motivo algum. Agridem, prendem sem julgamento, matam e depois tentam criar justificativas para tudo isso.

Exigimos que a polícia do Rio Grande do Sul identifique o racista de Passo Fundo e exigimos uma posição da Panvel diante desse caso e tome medidas nítidas para a proteção da funcionária agredida por insultos machistas e racistas! Racismo é crime!

O Quilombo Raça e Classe e a CSP-Conlutas acionaram o Sindicato dos Comerciários de Passo Fundo e Região que representa a categoria para intervir no caso. Além disso, foi formada uma comissão do movimento negro da região para denunciar o caso e identificar o agressor e interpelar a Panvel.

Por fim, saudamos a coragem de Arthur Bispo, ex-candidato à Prefeitura de Passo Fundo que, diante das agressões proferidas à uma mulher negra imediatamente se posicionou e saiu em sua defesa mostrando que a luta contra o racismo e o capitalismo continua nas ruas e que é fundamental a solidariedade entre os negros trabalhadores.

  • Justiça por João Alberto!
  • Fora Bolsonaro e Fora Mourão, já!
  • Fora Sérgio Camargo da Fundação Palmares!
  • Basta de genocídio dos negros e pobres!
  • Exigimos que o 20 de novembro seja feriado em Porto Alegre em memória de João Alberto e de todos os negros e negras que tombaram pelo racismo e pelo capitalismo!
  • Pela desmilitarização da Polícia Militar! Comitês de autodefesa e organização do povo Negro!
  • Reparações Já!