Mulher de luta e socialista.

Lúcia Pádua é funcionária da Fundação Nacional de Saúde (FNS), da Direção Estadual do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social no Rio de Janeiro (SINDSPREV-RJ) e foi da direção da CUT do Rio de Janeiro entre os anos de 1997 e 2000.

Como representante do Sindicato sempre esteve presente nas mobilizações da sua categoria, atuando com destaque nas lutas da saúde contra a privatização dos Hospitais Estaduais e em defesa dos direitos do funcionalismo, na FNS lutando contra as demissões e na denúncia da epidemia de dengue e, no ano passado, na greve vitoriosa dos funcionários públicos federais.

Lúcia foi militante do PT desde o início da década de 80, saindo deste partido para fundar em 1994 o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, integrando desde então a direção estadual do PSTU. Em 1998, foi candidata pelo PSTU ao Senado Federal obtendo cerca de 19 mil votos.

Lúcia nunca fugiu à luta. Da mesma forma que sempre esteve presente nas mobilizações de sua categoria contra os governos de FHC, Marcello Alencar e César Maia, Lúcia não fez como outros sindicalistas, que sumiram das lutas contra o Governo de Garotinho e, atualmente, de Benedita da Silva por serem governos ditos de esquerda. Fato este demonstrado claramente na última paralisação dos profissionais de saúde da rede estadual no dia 23 de maio.

Eleger Lúcia Pádua para a Assembléia Legislativa é a certeza de um mandato a serviço das lutas da classe trabalhadora contra os patrões e contra qualquer governo. É votar em mulher de luta e socialista.