Com imensa tristeza, recebemos na tarde desta quarta-feira, 31, a notícia de que o mundo perdeu Orliano Trindade da Cunha, ou simplesmente Leon.

Aos 45 anos, o pai da Helena, descansou após uma luta árdua, de 8 meses, contra o câncer. Leon, estava internado desde 24 de dezembro, na maior parte do tempo sob coma induzido. Sabiamos, há dias, da inevitabilidade do seu descanso. Nem por isso foi mais fácil sentir ou escrever sobre sua partida.

Tendo iniciado sua militância ainda no movimento secundarista, em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, no início dos anos 90, mudou-se para São Paulo em 1994, para compor a Secretaria Nacional de Juventude do PSTU.

Teve papel fundamental na organização de secundaristas no país, especialmente nas lutas contra a mudanças no Ensino Técnico em 1996, ano em que foi candidato a vereador, também pelo PSTU. Leon foi fonte de inspiração para que muitos jovens abraçassem as fileiras da luta pelo socialismo.

Em 1998, mudou-se para ABC Paulista. Sempre simpático, com sorriso largo no rosto, sua risada inesquecível e imensa alegria de viver. Veio para ABC, pois entendeu que era hora de sair da juventude e encarar outros desafios. Aceitou adentrar ao movimento operário. Passou, então a trabalhar em uma metalúrgica como almoxarife.

Em 2004, ano em que voltou a residir em São Paulo, decidiu trilhar outro caminho, criando o Coletivo Socialismo e Liberdade C-Sol que participou da fundação e compôs o PSOL.

O mundo perdeu Leon, nós perdemos um amigo, de outros tempos, mas que sempre esteve presente, de uma forma ou outra.

Leon foi um lutador, lutou cada dia da sua vida por um mundo melhor, mais justo, sem opressão. Lutou por meses e se segurou em cada fio de vida que surgia no tratamento. Lutou até o último suspiro de vida.

Nossa mais sincera homenagem ao Leon, a sua família e aos amigos.

Leon Cunha, presente!

31 de março de 2021