Hora de fortalecer o 19 de fevereiro para barrar de vez a reforma da Previdência

O "vampiro neoliberalista" da Paraíso do Tuiuti. Foto Mídia Ninja

Estamos na reta final da preparação de atos, mobilizações e paralisações para o dia 19 de fevereiro e o carnaval não esfriou a nossa a luta em defesa da aposentadoria das trabalhadoras e trabalhadores brasileiros. Pelo contrário. A insatisfação e a indignação do povo transformaram-se em protestos animados, bem humorados e cheio de beleza, com denúncia do governo Temer, governos locais e contra as reformas trabalhista e previdenciária. A maior expressão dessas manifestações foi a da Escola de Samba Paraíso da Tuiuti, do Rio de Janeiro. Abordou Temer, o vampiro de plantão que nos suga direitos, e a luta do povo negro. Mas tiveram muitas outras manifestações no carnaval por todo o país.

A CSP-Conlutas, com ações unitárias e plenárias, via estaduais e regionais, está em fase de preparação desse dia de luta contra a reforma da Previdência.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, dá sinais de que não haverá votação da proposta até final de fevereiro. Mas não vamos dar trégua. Embora o governo admita que não tem ainda os votos necessários para aprovar a medida, o discurso das lideranças governistas é de que o cenário pode mudar nos próximos dias e a intenção é colocar a reforma em votação até o dia 28.

Por isso, a pressão dos trabalhadores será fundamental para enterrar de vez esse ataque que quer acabar com a aposentadoria dos trabalhadores. O Fórum dos Servidores Públicos Federais já está com um calendário extenso de ações, assim como nos estados a preparação para o dia 19 por outras categorias também já está sendo organizada.

 

Dia de luta nos Estados
São Paulo – O Fórum de Luta Contra a Reforma da Previdência de São Paulo, reunido nesta quinta-feira (15), aprovou reforçar o 19 de fevereiro. Entre as resoluções aprovadas está participar do ato unitário com as centrais sindicais e demais entidades que acontecerá na segunda-feira (19), às 16h, na Avenida Paulista.

Na mesma data haverá manifestação no aeroporto Congonhas e panfletagem de carta aberta unificada nas estações de metrô Jabaquara, Luz, Itaquera, Barra Funda, Brás, Capão Redondo, Tamanduateí. Essas atividades ocorrerão todas às 6 horas. Inserções em rádios, agitação nas respectivas bases com faixas e assembleias, manifestações, carro de som nas periferias, panfletagens etc.

A campanha contra a reforma da Previdência será combinada com as revindicações de categorias que estão em luta como a não demissão dos cobradores de ônibus e fechamento de linhas de ônibus promovidos pelo prefeito Dória; contra as privatizações do sistema elétrico, do Metrô e tentativa de terceirização em todas as categorias. Participaram da reunião CSP-Conlutas, CTB, NCST, Intersindical, Sindicato dos Metroviários, Sintaema, Sintrajud, Sindicato dos Eletricitários, Sindicato dos Motoristas, Fenametro e Oposição Alternativa Apeoesp.

Em São José dos Campos (SP) já tem um ato unificado na Praça Afonso Pena convocado pelo Fórum de Lutas região. Além disso, estão organizando atividades em locais de trabalho e escolas.

No Rio de Janeiro, em reunião realizada pelas centrais na quarta-feira (7), na sede da CUT, foi reafirmado o dia 19 de fevereiro como um dia de greves, paralisações e mobilizações em defesa das aposentadorias. Para a data, estão previstos  atos nas categorias e atividades nas regiões da Central e na Praça XV. Às 14h, o Sepe (Sindicato ligado à Educação) fará um ato na Alerj (Assembleia Legislativa). Haverá ainda um ato unitário das centrais, na Candelária, às 16h.

Em Minas Gerais, na quinta-feira (8), a CSP-Conlutas MG também participou de uma reunião com as centrais, em que foram definidas ações no dia 19. Na ocasião, a CSP-Conlutas reafirmou que esse dia deve ser um preparativo para uma nova Greve Geral no país. Como parte das ações preparativas, está previsto um ato unitário às 17h na Praça Sete, com concentração a partir das 16h.

 

Em Fortaleza (CE), um ato unitário das centrais já está marcado para o dia 19 de fevereiro, às 9h, com concentração na Praça da Bandeira.

Em Belém (PA), com o objetivo de organizar a luta da classe trabalhadora, a CSP-Conlutas PA realizou no dia 8, no auditório do Sinasefe-PA, sua primeira Plenária do ano, cuja pauta principal foi o dia 19. A plenária teve a participação de operários da Construção Civil de Belém, trabalhadores dos setores públicos e sindicatos importantes na cidade como STIMCB PA, Sindtifes, Sindpetro, Sinasefe, oposições sindicais como a Oposição ao Sintepp (Sindicato dos Professores do estado) e Oposição Urbanitária e movimentos como o Luta Popular e o Quilombo Raça e Classe. Os companheiros discutiram conjuntura e encaminharam um calendário de lutas, organizando os materiais da central para a panfletagem na base das categorias, na periferia, nos canteiros de obras, nos bairros bem como ratificaram a unidade com as demais centrais sindicais, num ato unificado na capital paraense. No dia 19 ocorre um ato com concentração na SEAD, pela manhã, com todos os setores que querem derrotar a reforma da Previdência.