Fóruns de luta de Niterói se mobilizam contra flexibilização do isolamento social no município

Foto Clever Felix/LDG News/SINTUFF

Cedendo ao empresariado e ao bolsonarismo

Raoni Lucena, Niterói (RJ)

Mesmo com o contínuo aumento do número de infectados e mortos pela COVID-19, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PDT), anunciou no dia 19 de maio a flexibilização do isolamento social na cidade.

As ações da Prefeitura de Niterói estão sendo desenvolvidas com base na ciência e na análise de experiências internacionais que foram bem-sucedidas no combate ao coronavírus. É importante ressaltar que o isolamento social continua sendo a nossa maior arma e que só devemos sair às ruas em caso de extrema necessidade, e sempre usando máscaras. Contamos com o apoio, a perseverança e a disciplina dois niteroienses para o sucesso dessa transição gradual para uma nova normalidade”, afirmou o prefeito.

A declaração do chefe do Executivo municipal exala hipocrisia. Quais experiências internacionais bem-sucedidas são essas que flexibilizaram o isolamento no dia de maior registro de casos? Isso o prefeito não diz. E se o isolamento social continua sendo a maior arma, por que flexibilizar? O que justifica tais medidas? O isolamento social só pode ser bem-sucedido se forem garantidas as condições de fazê-lo, o que significa: garantir renda digna aos desempregados e trabalhadores informais, proibir as demissões, arcar com a folha salarial das pequenas empresas, distribuir gratuitamente máscaras, álcool em gel e produtos de higiene. Não adianta dizer “fiquem em casa e só saiam em caso de extrema necessidade” e, ao mesmo tempo, obrigar milhares de trabalhadores a saírem de casa para trabalhar, já que sua sobrevivência depende disso.

Com esse anúncio, a prefeitura de Niterói, que era vista como um exemplo positivo no combate à pandemia do coronavírus, se curva às pressões do empresariado e do negacionismo impulsionado pelo Governo Federal. Bolsonaro diz que há uma histeria coletiva e que temos que voltar às atividades normais o quanto antes e tudo bem se alguns milhares morrerem no processo. Rodrigo Neves não diz isso, reconhece a gravidade da pandemia, diz para ficarmos em casa, mas, na prática, fortalece o negacionismo bolsonarista ao anunciar a flexibilização das medidas de isolamento.

Fóruns de luta da cidade protestam contra a flexibilização do isolamento

Na última quinta-feira (27/05), desde as 8 horas da manhã, reuniram-se na praça Araribóia cerca de dez ativistas de diferentes categorias. Foram estendidas faixas contra a flexibilização do isolamento social e distribuídas máscaras de “Fora Bolsonaro e Mourão”. A manifestação ocorreu com distanciamento social e sem aglomeração. A atividade foi organizada pela União dos Fóruns de Luta de Niterói, que reúne o Fórum Sindical e Popular, Fórum dos Trabalhadores da Saúde e Fórum de Luta por Moradia da cidade.

Os organizadores afirmam que a decisão do prefeito Rodrigo Neves de flexibilizar o isolamento e reabrir escolas vai aumentar o número de contaminações e, consequentemente, de mortos pelo novo coronavírus. Defendem ainda que, para garantir uma quarentena real para todos, é preciso garantir uma renda mínima de pelo menos um salário mínimo para todos.

A União dos Fóruns também vai realizar outras ações, como um Ato-Live, no dia 28 de maio, contra a flexibilização do isolamento social na cidade, que será transmitido nas redes sociais dos sindicatos, movimentos e partidos que compõem os fóruns.

Nem o negacionismo, nem a hipocrisia

É preciso encarar a realidade. Nem o discurso abertamente negacionista de Bolsonaro, nem a hipocrisia de Rodrigo Neves são capazes de dar a resposta necessária para proteger a vida dos trabalhadores. Ambos estão comprometidos, em primeiro lugar, com a manutenção do lucro dos bancos e grandes empresas. É preciso pôr abaixo o capitalismo e construir um governo socialista, onde os próprios trabalhadores assumam o controle sobre a produção e distribuição dos recursos.

  • Quarentena total já!
  • Renda digna para trabalhadores informais e desempregados!
  • Proibir demissões e arcar com a folha salarial das micro e pequenas empresas!
  • Incorporação dos leitos privados pelo Estado, com fila única controlada pelo SUS!
  • Romper com a Lei de Responsabilidade Fiscal e não pagar a dívida pública!
  • Nenhuma confiança em Rodrigo Neves! Fora Bolsonaro e Mourão!