Explode violência e corrupção no Rio de Janeiro.

E Rosinha prende um servidorAs falcatruas cometidas na Secretaria de Fazenda do Estado pela quadrilha de Silveirinha atingem os mandatos dos ex-governadores Garotinho e Benedita e da atual governadora, Rosinha.
O ex-secretário de Fazenda de Garotinho, Carlos Sasse, afirmou que “ele (Garotinho) protegia sonegadores e sabia de Silveirinha”. Por outro lado, Benedita perdoou uma multa de R$ 468 milhões da Coca-Cola e 57 multas do Carrefour, um dos doadores de sua campanha. E Rosinha manteve Silveirinha na Inspetoria que “cuida” da fiscalização das 400 maiores empresas do Estado.
O Estado perdeu 100 milhões de reais para a turma de Silveirinha e muito mais para empresas como a Xerox do Brasil, que recebeu anistia de R$ 214 milhões em multas, e a White Martins, que teve multas perdoadas no valor de R$ 54 milhões.
Para o PSTU é preciso exigir a prisão e o confisco dos bens dos corruptos e corruptores. Comprovada a participação ou omissão dos governadores, estes também devem ser punidos, e é necessário multar as empresas envolvidas.

Rosinha prende sindicalista

Após não pagar o 13º e as férias dos servidores, a governadora Rosinha, em uma atitude desesperada, endureceu e abriu inquérito sobre a suposta agressão que teria sofrido em uma manifestação de servidores na Assembléia Legislativa (Alerj).
Por ordem da governadora, a polícia intimou o diretor do SEPE e militante do PSTU Gualberto Tinoco (Pitéu) para prestar depoimento sobre a manifestação. Após três horas de depoimento, o delegado Alberto Leite, da 1ª DP – pasmem! – decretou a prisão do servidor em base a um processo por desacato a autoridade de 1976.
Rosinha, enquanto destina recursos para banqueiros e empreiteiras, deixa de pagar os servidores públicos e trata o movimento e as questões sociais como caso de polícia. Enquanto isso, o tráfico fazia a festa.

Servidores nas ruas às vésperas do carnaval

Cerca de quatro mil servidores realizaram uma passeata na quarta-feira, 26 de fevereiro. No percurso pela Avenida Rio Branco, Pitéu foi lembrado nas intervenções e palavra-de-ordem: “O Pitéu é meu amigo, mexeu com ele, mexeu comigo”.
A manifestação foi convocada como Bloco Carnavalesco “Unidos dos Servidores”. A ala “Somos Todos Pitéu” abria o desfile com integrantes acorrentados e vestidos de presidiários.
Rosinha sugou tanto os salários que foi homenageada com a ala “VampRosinha”. Os vampiros vinham acompanhados de centenas de pessoas vestidas de roxo formando a ala “Tô roxo de raiva”. Alunos, professores e funcionários da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) mostraram sua indignação na ala “Filhos da Pública”.

Lula deve revogar Lei de responsabilidade Fiscal

Existem recursos para pagar os servidores, para a prestação de serviços públicos de qualidade, para aumentar investimentos em saúde, educação, habitação e gerar empregos. Acontece que estes são canalizados para a dívida do Estado com o governo federal e os grandes bancos.
Não somente o Rio, mas boa parte dos Estados vivem uma crise financeira, estrangulados pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que impede o atendimento das reivindicações dos funcionários estaduais e novos investimentos nas áreas sociais.
Por isso, os servidores, além de seguirem a luta contra Rosinha, devem exigir do governo Lula que revogue a LRF e deixe de pagar os especuladores, banqueiros e o FMI.
Post author André Valuche,
do Rio de Janeiro
Publication Date