Genival vice presidente do sindicato dos rodoviários

Empresas de ônibus demitem rodoviários e dão férias coletivas sem pagamento e com ameaça de demissões! Clécio e Waldez garantam os empregos dos trabalhadores!

 

No meio da pandemia do novo coronavírus, não é só o vírus que ameaça a vida dos trabalhadores amapaenses. A burguesia ataca nossa classe seja por medidas ainda insuficientes de Bolsonaro e Mourão, do governador Waldez (PDT) e Jaime Nunes (PROS) e do prefeito Clécio (Rede), seja de forma direta com demissões pelas empresas de ônibus.

Na segunda 23/03, 20 trabalhadores foram sumariamente demitidos pela Amazontur! Expresso Marco Zero e Sião Thur deram férias coletivas sem pagamentos e com ameaça de demissões. Já a Capital Morena adiantou do salário de R$ 800 apenas R$ 170 aos motoristas e dos R$ 450 pagou só R$ 100 para os cobradores. A frota opera com 30%, seguindo o decreto 1713/2020 da prefeitura. Como sobreviverão sem a renda completa? Essa conduta contraria recomendações do Ministério Público do Trabalho e a legislação.

Não se poderia esperar outra postura dos empresários que há anos exploram o trabalho de rodoviários, sem garantir salário em dia e discutir com  a direção do sindicato sobre direitos da categoria. Os empresários seguem a política das medidas de Bolsonaro e Mourão ao atacar os direitos trabalhistas e de organização sindical, através da MP 927.

Para espanto dos rodoviários, o sindicato patronal se manifestou na imprensa dizendo que poderiam ocorrer mais demissões e que 100% da frota pararia devido à pandemia se os governos não ajudassem as empresas! Eles estão mais preocupados com seus lucros do que com os empregos. A urgência é a proteção dos trabalhadores para garantir suas vidas!

Genival Cruz, vice-presidente do Sincottrap e militante do PSTU ressalta: “Na situação de crise é fundamental  manter o emprego e sustento dos trabalhadores para ficarem em quarentena. Demitir é um ato desumano e imoral. Mostra a lógica cruel do capitalismo onde se prioriza o lucro dos burgueses acima das nossas vidas!

O prefeito Clécio (Rede) e o governador Waldez (PDT) devem se posicionar sobre a situação desses trabalhadores. Emprego e salário são vitais para manter a vida digna de dezenas de famílias! Importante lembrar que em 2019 o prefeito perdoou R$ 67 milhões de dívidas das empresas ao município e aumentou a passagem em R$ 3,70, em um acordo com os patrões! Dinheiro que hoje ajudaria no combate ao coronavírus.

A vida  acima dos lucros!

Para proteger a vida dos rodoviários e rodoviárias deve se garantir a estabilidade dos empregos, com afastamento remunerado, pagamentos em dia, revezamento de turnos e afastar os trabalhadores do grupo de risco! Essa responsabilidade está nas mãos dos governos estadual e municipal!  Os  trabalhadores mesmo em casa precisam se organizar para lutar contra o vírus e o capitalismo. Fora Bolsonaro e Mourão!