Desabamento de edifício em Guarulhos causa morte de trabalhador

Edenilson Jesus dos Santos morreu no desabamento

A construção civil é o 2º setor que mais contabiliza mortes e acidentes de todo o país

Guarulhos assistiu a mais um trágico acidente na construção civil.No dia 2 de dezembro, um edifício, em construção, de 5 andares desabou, na Avenida Humberto de Alencar Castelo Branco, no bairro da Vila Augusta. No momento do desabamento, havia um funcionário na obra, o vigilante e ajudante de pedreiro Edenilson Jesus dos Santos de 24 anos. O corpo foi encontrado nessa quinta feira, três dias após o acidente. Edenilson deixou dois filhos.
 
Após vistoria, a defesa civil interditou alguns imóveis em torno do local do acidente. As famílias foram removidas para abrigos ou casas de parentes, sem garantias nenhuma por parte da Prefeitura ou da Construtora da obra.
 
A construtora Salema responsável pela obra havia renovado o alvará para a construção do edifício, junto a Prefeitura no mês passado.Porém, em nota, a Prefeitura diz: “A partir daí e, de acordo com as normas técnicas brasileiras, a responsabilidade sobre a execução da obra cabe à empreiteira, através do seu engenheiro responsável”. Foi instaurado um processo pela polícia civil para averiguar a situação.
 
Os trabalhadores relatam que a construtora não adotava todas as precauções de segurança com os funcionários e que vinha ignorando alertas de risco na obra. Um operário relatou à polícia que avisavam ao mestre de obra sobre rachaduras no prédio há pelo menos 5 meses e que trabalhavam com medo de que o prédio caísse.
 
Uma dura realidade na construção civil
Assim como Edenilson centenas de trabalhadores da construção civil sofreram acidentes nos últimos anos. Esta tragédia precisa nos fazer refletir sobre a causa dessa morte. O fato é que este tipo de acidente nos mostra que a expansão do setor vem ocorrendo sem que as empreiteiras e construtoras garantam as condições mínimas de trabalho. A construção civil é o 2º setor que mais contabiliza mortes e acidentes de todo o país.
 
As empreiteiras e construtoras querem garantir os seus lucros se utilizando da exploração dos funcionários e de todo e qualquer tipo de economia, muitas vezes irresponsáveis nas construções das obras. Os governos são bastante negligentes com as empresas, não garantem fiscalizações, e agem com complacência, pois essas empresas são grandes financiadoras de suas campanhas eleitorais.
 
Nós, do PSTU, nos solidarizamos com a família de Edenilson e com todos os operários da construção civil e suas famílias que passam por situações trágicas como essa.