Comitês de Solidariedade a Luta do Povo Palestino distribuem nota no FSB

LEIA ABAIXO A ÍNTEGRA DA NOTA:

PALESTINA LIVRE
Causa da Humanidade! Luta internacional de Libertação! Abaixo o Terrorismo dos Nazistas Bush e Sharon contra o Povo Palestino!

Na Palestina acontece um dos maiores genocídIos da história. O governo terrorista de Israel, chefiado pelo sanguinário Ariel Sharon e apoiado pelo outro terrorista, o ditador George Bush, realiza uma limpeza étnica como nunca se viu na história da humanidade: ocupam o Solo Pátrio da Palestina, destruindo as cidades históricas e executando os Palestinos a todo instante. Casas, escolas, hospitais, Mesquitas e Igrejas são bombardeadas na Terra Santa. Uma limpeza étnica igual ou pior a que os nazistas fizeram na 2° Guerra Mundial é agora realizada pelo Estado Sionista de Israel contra o Povo Palestino, tudo com armas e dinheiro dos Estados Unidos. Um número indefinido de inocentes são mortos ou feridos. Nem ambulâncias nem médicos ou enfermeiros podem ajudar os feridos porque são proibidos, cercados e são alvos do maior arsenal bélico do planeta. Um covarde e brutal massacre contra o Povo Palestino está sendo realizado perante o silêncio de todos os governos covardes e traidores do mundo.

Um pouco de história…

No dia 29 de novembro 1947, através da Resolução 181 da ONU – Organização das Nações Unidas, foi imposta a divisão do território da Palestina para a criação do Estado de Israel, abrindo largas portas para o começo do sofrimento do Povo Palestino. A Partilha da Palestina foi fruto da pressão do Sionismo e do Imperialismo. De forma violenta o Povo Palestino teve a maior parte do seu território usurpado, ocorrendo, através de massacres, a extração de 56% de seu Solo Pátrio para a implantação do Estado de Israel.

O Estado de Israel é o único país do mundo que não tem suas fronteiras territoriais definidas – com a política de ação expansionista suas fronteiras são elásticas! Através de usurpações territoriais e guerras de agressão vão ampliando sua área geográfica. Já em 1948, depois do primeiro conflito com os países árabes que reagiram à criação do engendro sionista, o Estado de Israel resultou maior, ocupando 78% do Solo Pátrio Palestino. Em 1956, já se revelando como ponta de lança de interesses imperialistas na região do Oriente Médio, Israel reagiu militarmente à soberana decisão do governo egípcio de nacionalizar o Canal de Suez. Em 1967 ocorreu a Guerra dos 6 dias onde o brutal exército Sionista invadiu Cisjordânia e Gaza, ocupou a península do Sinai, a margem oriental do Canal de Suez, a margem ocidental do rio Jordão e as colinas de Golan, na Síria. Em 1982, o Estado de Israel avançou pelo sul do Líbano, perpetrando crimes hediondos, como os massacres de Sabra e Chatila. Mais de meio século os Palestinos tem 100% do seu País ocupado pelas forças israelenses, causando sofrimento e massacre ao Povo Palestino que, heroicamente, resiste lutando e defendendo sua Pátria, sua independência e liberdade.

Estado de Israel é um Estado Racista – a construção do Muro do Apartheid

A Resolução 3379 de 10/11/1975 da ONU condena o Sionismo como forma de racismo. A Política do governo do Estado de Israel é Sionista. Eles são contra a volta dos refugiados Palestinos – são cerca de 4 milhões de Palestinos que tem o direito a retornar ao seu Solo Pátrio. O governo israelense afirma que, se os palestinos retornarem, o caráter judeu de Israel está condenado. O Estado de Israel deve permanecer “puro”, ser o Lar Nacional dos Judeus.

Como se não bastassem todos os massacres impostos aos Palestinos, agora o governo israelense está construindo o muro da vergonha. A construção do muro é o ápice da segregação, conhecido como o muro do Apartheid tem 8 metros de altura e 350 km de comprimento. Além do Muro, há a zona de segurança no entorno do muro, são 100 metros de largura, criando a área de “segurança”. Os trabalhos de construção começaram em 23 de julho de 2002. Ele transformou a ocupação israelense em um fato consumado absoluto – onde o impacto não será diminuindo pela criação de um Estado Palestino. O muro tranformará a Palestina em bantustões, onde Israel poderá fechar a porta a todo momento. A primeira etapa de construção, 148 km, já está desorganizando a vida de 67 comunidades Palestinas, e terá um impacto direto sobre suas relações com suas terras agrícolas. Em Quinze vilarejos as terras agriculturáveis ficarão do lado oeste do muro e os proprietários perderão o acesso à elas. Até agora, o muro desenraizou 83.000 árvores e demoliu 35.00 metros de encanamento de irrigação, e destruiu 11.400 ares de terra agrícola, anexando à Israel 31 poços, negando assim aos Palestinos 4 milhões de metros cúbicos de água por ano. Construir o muro não é somente uma ação de segregação racial, mas também um crime de natureza política contra o povo Palestino.

O mundo reagiu ao Apartheid na África do Sul. Hoje a África do Sul escreve uma nova história. E o que vai ser da Palestina? O que o mundo vai fazer agora? Os Palestinos serão dizimados?

Os Palestinos tem direito a seu Estado, a autodeterminação, a vida, a liberdade e a paz!

Qual a saída?

A própria ONU, em sua Resolução 3236, de 20/11/1974 reconhece o direito do Povo Palestino de lutar, POR TODOS OS MEIOS, pela recuperação de seus direitos inalienáveis: de retornarem a seus lares, à autodeterminação e à independência e soberania nacionais. O povo Palestino deseja a paz e sua forma de defesa, desde 1987 é a INTIFADA, um posicionamento de libertação contra a violência do exército israelense.

Denunciamos a farsa do plano “Rota da Paz“ – traçado pelo Quarteto: Estados Unidos, União Européia, Rússia e a ONU (ONU?). Esse plano é uma imposição no qual o Povo Palestino não participou da sua formulação e não foi escutado. O propósito do plano é para criar a Grande Israel (do Rio Nilo, no Egito até o Rio Eufrates, no Iraque) usurpando territórios dos países do entorno e para acabar com a Intifada. A impressa mundial já está mostrando a verdadeira cara deste plano e anunciando o seu fracasso.

A posição do povo palestino será a resistência até a vitória! O governo sionista de Israel tem as armas mais modernas, mas não tem a mais poderosa: o direito a justiça – essa arma só os mártires Palestinos tem!

A paz para o Estado de Israel é uma fachada para fortalecer suas forças militares e econômicas e dominar o mundo árabe. O Imperialismo estadunidense associado ao Sionismo querem dominar o petróleo da região, já dominam o Afeganistão e o Iraque.
A paz para os Palestinos significa a retirada imediata da invasão israelense do Solo Pátrio da Palestina, direito de retorno aos refugiados Palestinos a seus lares e a constituição do Estado Palestino laico e democrático onde possam viver em paz muçulmanos, cristãos e judeus, com Jerusalém como capital.
Nosso dever é mostrar que o mundo pertence aos povos mais do que aos governos!

Dirigimo-nos a todos vocês, amantes da paz, da justiça e da liberdade para lutarmos pelo fim da opressão dos povos, pelo fim do cerceamento da liberdade e pelo respeito aos direitos humanos!

Conclamamos a todos os revolucionários latinos e do mundo, aos estudantes, operários e camponeses para unificar e organizar a luta contra o imperialismo.

Abaixo o Estado Sionista-Nazista de Israel produto do imperialismo!!!
Abaixo os Governantes árabes traidores órfãos da dignidade!!!
Viva a luta do Povo Palestino e sua mais alta expressão a Intifada!!!
Viva a resistência do Povo Afegão e Iraquiano !!!
Fora as tropas imperialistas do Afeganistão, do Iraque e da América Latina!!!
Não à ALCA!!! Viva a luta dos povos!!!
A paz só é possível se derrotamos o imperialismo.

Junte-se a nós

  • Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino
    comitepalestinasc@yahoo.com.br

  • União da Juventude Árabe para América Latina (UJAAL)
    www.ujaal.hpg.com.br
    ujaal@arabia.com

  • Comitê de Solidariedade à Luta do Povo Palestino do Rio de Janeiro
    vivaintifada@infolink.com.br
    www.palestina1.com.br