Com salão cheio, sindicato dos metalúrgicos elege número máximo de delegados aos congressos

Trabalhadores eleitos serão representantes da categoria nos dois encontros, que devem reunir cerca de 5 mil pessoas, em junhoCom o salão lotado, de manhã e à noite, os metalúrgicos de São José dos Campos garantiram uma ampla representatividade nos congressos da Conlutas e de unificação, que acontecem de 3 a 6 de junho, em Santos (SP).

De acordo com o estatuto da Conlutas, cada entidade filiada tem direito de inscrever dois delegados, mais um a cada 1.000 trabalhadores de sua base. Que, no caso do nosso Sindicato, totalizam 49 delegados.

No entanto, para garantir essa representatividade, seria necessário ainda reunir nas assembléias número suficiente de trabalhadores, já que cada cinco trabalhadores presentes podem eleger um delegado.

Sendo assim, com a presença de 285 metalúrgicos (40 a mais que o número necessário), foi possível eleger o número máximo de delegados a que tínhamos direito. Nossa delegação incluirá ainda 22 suplentes e dois convidados.

Os metalúrgicos presentes também assistiram a um breve vídeo, que abordou um pouco da trajetória das lutas dos trabalhadores através dos tempos, culminando na fundação da Conlutas e terminando com a necessidade da unificação, como um caminho natural para o fortalecimento da luta dos trabalhadores.

Antes da votação, o secretário-geral do Sindicato, Luiz Carlos Prates, o Mancha, apresentou a tese do Congresso, em 15 minutos, destacando a importância da unificação e do fortalecimento da entidade para combater os ataques contra os trabalhadores.

Na sua fala, ele também enalteceu o importante papel que os metalúrgicos de nossa base têm na história da Conlutas, e falou sobre a importância que também terão na história da nova organização que vai surgir.

“Os metalúrgicos de São José dos Campos estão à altura dos novos acontecimentos e certamente saberão construir essa nova ferramenta para coordenar as lutas que estão por vir. O papel do Sindicato dos Metalúrgicos de São José, que foi tão fundamental na construção da Conlutas, também é fundamental agora”, disse.

Mancha falou também da importância de a Conlutas se unir a outras organizações de luta para que, mais forte, possamos avançar ainda mais, já que centrais sindicais pelegas, como a CUT e a Força Sindical, estão ausentes das principais lutas da classe trabalhadora.

Logo após, foi feita a leitura dos nomes dos delegados inscritos e a votação. A delegação foi aprovada por 284 votos e uma abstenção.