Cinco corruptos que querem acabar com a sua aposentadoria

O governo Temer corre para aprovar a reforma da Previdência. Enquanto a televisão passa a campanha em defesa da destruição da aposentadoria pública, ao custo de R$ 100 milhões, no Congresso Nacional o governo parte para todo tipo de negociata para comprar os deputados e os votos necessários para a aprovação da reforma.

As cifras são variadas. O último levantamento realizado pela imprensa dá conta de que Temer já comprometeu nada menos que R$ 43 bilhões em medidas como liberação de emendas, renegociação de dívidas e repasses para estados e munícipios. Isso só o que está sendo feito à luz do dia, certamente por debaixo dos panos multiplicam-se as malas de dinheiro para que o governo chegue aos 308 votos que precisa para aprovar a PEC 287.

E nesse trabalho subterrâneo para costurar cada voto, Temer se cerca de um punhado de corruptos que, assim como ele, carrega uma folha corrida de crimes e escândalos. São destaques entre os 238 deputados e senadores que são investigados hoje por algum tipo de crime.

Veja abaixo os principais corruptos que querem tirar a sua aposentadoria.

Michel Temer

O vice da ex-presidente Dilma Rousseff carrega o estigma de ser o primeiro mandatário denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Entre os crimes denunciados pela Procuradoria Geral da República (PGR) estão o de corrupção, obstrução da Justiça e organização criminosa.

Os crimes de Temer não só são muitos como estão fartamente documentados, incluindo a já histórica gravação realizada pelo dono da JBS, Joesley Batista, em plena calada da noite no Palácio do Jaburu.

Pouco depois, o então secretário especial de Temer, Rodrigo Rocha Loures foi flagrado recebendo uma mala com R$ 500 mil da JBS. Nesse dia 11 de dezembro Loures virou oficialmente reu por corrupção. Já Temer, como sabemos, se livrou das duas denúncias oferecidas pela PGR à base da compra de deputados. A mesma coisa que faz agora com a reforma da Previdência.

Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ou “Botafogo” na lista da Odebrecht, vem se destacando pelo comprometimento em aprovar a reforma da Previdência.

Rodrigo Maia tem dois inquéritos pendurados no STF por conta da Lava Jato. Num deles é acusado de ter recebido R$ 350 mil da Odebrecht em 2008; em outro de receber R$ 600 mil em 2010 da mesma empresa.

Maia é ainda acusado pela Polícia Federal de corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a denúncia que está parada no STF e no Ministério Público, ele recebeu dinheiro da empreiteira OAS em troca de favores nada republicanos. Rodrigo Maia e seu pai, César Maia, teriam recebido pelo menos R$ 1 milhão da construtora.

Quanto será que está levando agora?

Carlos Marun

O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) está se tornando cada vez mais uma figurinha carimbada, sinônimo de tudo o que tem de mais podre e corrupto no Congresso Nacional. Ele foi recentemente nomeado ministro da Secretaria do Governo. É o sujeito que vai botar a “mão na massa”, para não dizer coisa pior, para aprovar a reforma.

Só para refrescar a memória, Carlos Marun é deputado que ficou ao lado de Eduardo Cunha até o último momento, dando um verdadeiro exemplo de fidelidade ao canalha que hoje está preso em Curitiba. Aliás, fidelidade que se manteve mesmo após a prisão, pois Marun foi flagrado utilizando verba oficial para visitar Cunha na cadeia no Natal passado.

Sem Cunha, Marun foi amarrar sua coleira aos pés de Temer. Nada mais óbvio, já que é de conhecimento público os esforços de Temer e do governo para manter o ex-presidente da Câmara quietinho. “Tem que manter isso, viu?”.

Marun é acusado ainda de participar de um esquema que desviou R$ 16,6 milhões quando era presidente da Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab).

Carlos Marun ganhou mais fama recentemente ao protagonizar a “dancinha da corrupção” quando Temer se livrou da 2ª denúncia por corrupção na Câmara.

Arthur Maia

Relator da proposta de reforma da Previdência, o deputado Arthur Maia (PPS-BA) aparece como “Tuca” na lista da Odebrecht. É suspeito de ter recebido pelo menos R$ 200 mil da empreiteira nas eleições de 2010. Garoto de recados de Temer e dos banqueiros, repete as mentiras de que a reforma não vai prejudicar os pobres e elegeu os servidores públicos como seu alvo.

Aécio Neves

Por incrível que possa parecer, o senador tucano que ninguém entende porque ainda está solto, foi chamado por Temer para ser o articulador na reforma no Senado.

Aécio Neves (PSDB-MG) coleciona nove inquéritos no STF (corrupção passiva e lavagem de dinheiro). Caiu em desgraça após ser gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista.

O STF determinou seu afastamento do cargo e recolhimento noturno, mas o Senado revogou essa decisão pouco depois. Agora, está livre e solto para acabar com a sua aposentadoria.

LEIA MAIS

Reunião das centrais define: “Se colocar a reforma da Previdência para votar, o Brasil vai parar”