CE: Tropa de Choque reprime manifestação pacífica de trabalhadores da construção civil no terceiro dia de greve


Imagens: Coletivo Nigéria

Na Copa tem greve: Repressão não intimida operários, que enfrentam também a intransigência da patronal

Nesta quarta-feira (25), terceiro dia da greve dos trabalhadores da Construção Civil de Fortaleza (CE), a categoria foi atacada pela Polícia Militar durante um protesto pacífico. A manifestação teve concentração no shopping Rio Mar, seguiu rumo à Praça Portugal e, já no início, foi reprimida por policiais que usaram bombas, gás lacrimogêneo e bala de borracha contra os trabalhadores. A Tropa de Choque fez um cerco aos manifestantes na rua Historiador Raimundo Girão.

A mesma atitude truculenta foi cometida pelos policiais nas manifestações realizadas pelos trabalhadores nos dois primeiros dias de greve.  A categoria não se intimidou e não se intimida e prosseguiu com ato.

A CSP-Conlutas repudia a repressão e intimidação dos policiais contra trabalhadores que estão nas ruas, fazendo valer o direito de se manifestar. Lutar é direito, não é crime!  

Reivindicações   
O Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Fortaleza (STICCRMF), filiado à CSP-Conlutas, está em luta para que os patrões retomem as negociações com a categoria. As empresas se recusam a discutir plano de saúde, segurança e melhores condições de trabalho.

A categoria mantém suas reivindicações que envolvem 15% de reajuste salarial, cesta-básica de R$ 150, plano de saúde, um acréscimo de 5% de vagas exclusivamente para mulheres nos canteiros de obras, hora-extra no trabalho aos sábados de 100%, auxílio-creche, e a criação do dia do trabalhador da construção civil.

RELEIA Operários da construção civil de Fortaleza entram no segundo dia de greve