O Movimento Internacional de Trabalhadores (MIT), a LIT-QI e o PSTU estão realizando uma ampla campanha para exigir liberdade aos presos políticos do Chile. Como resultado dessa ação de diferentes organizações, conseguiu-se que vários companheiros fossem liberados.

Essa campanha é indispensável, pois, em meio à pandemia causada pelo novo coronavírus, o governo de Sebastián Piñera mantém na prisão mais de 2 mil presos por lutar, detidos durante as mobilizações que começaram em 18 de outubro do ano passado. As prisões estão em situação catastrófica, sem possibilidade de visitas, sem água e com vários casos de infectados por COVID-19. É nítido que a política do governo visa eliminar fisicamente parte dos melhores lutadores da revolução.

Já existem três acusações em Santiago contra os presos políticos. A um deles, é pedido quase 15 anos de prisão, e a outro, 24 anos! Enquanto isso, os grandes ladrões empresariais têm aulas de ética e cumprem quarentena em suas casas confortáveis. Trata-se de um genocídio contra os pobres, contra os setores mais precarizados da classe trabalhadora. É uma tentativa de silenciar nossa luta com a possível morte pela COVID-19.

A revolução ainda está viva

Muitos dos jovens que estiveram na vanguarda dos protestos hoje estão na “primeira linha” enfrentando a pandemia, organizando-se em centros de coleta, alimentação solidária, brigadas de saneamento, assembleias territoriais e outras organizações, muitas surgidas durante a revolução, para ajudar a organizar os setores mais abandonados nos quais o estado burguês está ausente.

Hoje, coloca-se que, diante da política assassina do governo, ou a revolução e as organizações que dela emergiram vencem a pandemia e a fome com autocuidado, organização e luta ou a pandemia pode levar boa parte de nossos lutadores.

Como posso participar da campanha?

Envie sua foto ou vídeo exigindo liberdade aos presos por lutar para continuar massificando em todas as nossas redes! Publique tudo o que estiver relacionado à campanha em suas redes. Para isso, colocamos nosso Facebook, Instagram e Twitter à disposição.

Pressionemos o governo chileno, o Ministério do Interior e o Ministério Público por meio de suas diversas redes para exigir: Liberdade imediata aos presos por lutar! Medidas sanitárias em todas as prisões!