Cerca de 5 mil manifestantes protestaram em Brasília (DF), na quarta-feira (14), contra os cortes na Educação, a privatização das estatais e em defesa do serviço público. O ato foi liderado por docentes de todo o país, em conjunto com estudantes e trabalhadores do setor.

No início da tarde, ocorreu uma Audiência Pública da Comissão de Legislação Participativa da Câmara Federal, no auditório Nereu Ramos. A sessão debateu diversos assuntos, como a necessidade da manutenção da luta dos servidores pelo reajuste de 19,99%.

Paulo Barela, da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, representou a Central. O companheiro servidor defendeu a ação direta na luta contra o governo de Jair Bolsonaro e a importância de se permanecer nas ruas.

Citando a greve dos cobradores e motoristas de São Paulo, Barela afirmou: “é exemplo concreto da capacidade de nossa luta de resistir contra a política de Bolsonaro. A derrota do fascismo, dos setores de ultradireita não se dá nas eleições, mas nas ruas, na luta concreta e na organização da classe trabalhadora”.

Justiça para Bruno e Dom

Do lado de fora, acontecia o esquenta para a passeata que ocorreu as 16h. Além das pautas do “Ocupa Brasília”, a manifestação também lembrou da luta do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips.

Servidores e servidoras da Funai, que estão em greve pela exoneração do presidente do órgão, Marcelo Xavier, se juntaram ao ato com cartazes e faixas cobrando justiça por Bruno e Dom e respostas do governo e do Congresso Nacional.

Passeata

Após a audiência, os manifestantes saíram em marcha pela a Esplanada dos Ministérios, em direção ao Ministério da Educação (MEC). Com faixas, cartazes e palavras de ordem, chamaram a atenção para as reivindicações e para o desmonte da educação e da ciência.

Com o atual cenário de retirada de recursos, há o risco de fechamento das universidades, institutos federais e cefets. Também foi cobrada uma reunião de emergência para discutir a situação com os órgãos públicos responsáveis.

O dia de luta terminou com um ato político-cultural em frente ao Teatro Nacional, próximo à rodoviária da capital, com apresentação do rapper GOG e do grupo de Maracatu de Brasília.