Ato no Consulado boliviano em São Paulo exigiu renúncia de Goni e fim da repressão

Cerca de 40 pessoas protestaram nesta quarta-feira, 15/10, às 12h, em fente ao Consulado da Bolívia, em São Paulo, exigindo a renúncia do governo Sanchez Lozada e o fim imediato da repressão e dos massacres. Estavam representadas a Apeoesp-Diadema, o Comitê dos Povos em LUTa, o PSTU, o PCO, as organizações ER-QI e TPOR, os estudantes do Movimento Ruptura Socialista e da COMUNA.

O cônsul boliviano não recebeu representantes de todas as organizações e companheiros bolivianos presentes, mas uma comissão de três ativistas foi recebida e entregou uma declaração do ato (leia abaixo). O cônsul defendeu o presidente, afiramando que era eleito constitucionalmente e defendeu uma saída “pacífica“ para o conflito, preservando a “democracia“, com intermediação da OEA.

Os manifestantes marcaram uma reunião para esta sexta-feira, para preparar novos atos massivos, sendo que o próximo está indicado para a quarta-feira, dia 22 de outubro.

_____________________________

Declaração entregue ao Cônsul da Bolívia em São Paulo

São Paulo, 15 de outubro de 2003

Ao Consulado da Bolívia em São Paulo e às autoridades governamentais da Bolívia

O governo da Bolívia, dirigido pelo senhor Gonzalo Sanchez de Losada, vem lançando nessas últimas semanas uma escalada de violência e repressão militar e policial contra os heróicos camponeses, indígenas, estudantes e trabalhadores bolivianos que em defesa dos interesses nacionais e da maioria da população combate legitimamente contra a entrega as transnacionais do gás do país e em defesa de demandas básicas de vida, emprego e liberdade.

Irmanados pelos laços de classe nos dirigimos às autoridades governamentais da Bolívia para demonstrar nosso repúdio aos massacres de dezenas de camponeses, indígenas, trabalhadores e jovens que o exército e a polícia perpetram sob as ordens diretas do presidente Sanchez de Lozada, com a cumplicidade da embaixada norte-americana na Bolívia e dos partidos políticos patronais que compõem o gabinete governamental. O governo da Bolívia assassina seu povo para defender interesses antipopulares e anti-operários. O povo boliviano tem toda razão: esse governo é ilegítimo e deve renunciar imediatamente.

Os camponeses, indígenas, estudantes e trabalhadores bolivianos sabem que não estarão sozinhos e poderão contar com o apoio irrestrito e incondicional dos seus irmãos brasileiros. Estaremos atentos aos acontecimentos na Bolívia e em prontidão para realizar atos, manifestações e todas as ações que contribuam para a vitória do levante popular boliviano em defesa dos interesses genuinamente nacionais e contra a rapina das transnacionais e da embaixada ianque.

Viva a luta do povo boliviano. Apoiamos orgulhosamente a insurreição popular em El Alto e os bloqueios populares em La Paz, Cochabamba e demais cidades. Exigimos o fim dos massacres e da repressão militar e policial. Abaixo esse governo assassino.