Alckmin e Doria dão “presente” de férias para o povo de São Paulo! Não ao aumento da tarifa!

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da capital, João Doria (ambos do PSDB) estão preparando um aumento conjunto dos transportes públicos: ônibus, trens e metrô. Já temos umas das tarifas mais caras do mundo, mas esse absurdo vai ficar pior. Com aumento a população da periferia será ainda mais excluída. Hoje, mais de 30% da população já tem que fazer parte do trajeto a pé por não consegui pagar a tarifa.

O aumento das tarifas serve para ampliar ainda mais o já absurdo lucro das máfias dos ônibus e os cartéis nos metrô e trens, que seguem sendo privatizados e terceirizados. Como no dia 19 de janeiro, em que Alckmin tentará privatizar a Linha 5 do metrô. Ao mesmo tempo, Doria vem tentando prosseguir com o projeto iniciado por Haddad de acabar com o posto de cobrador de ônibus.

A lógica da privatização do transporte só tem piorado a qualidade aumentado a tarifa, transportes mais superlotados, precarizados e caros. Enquanto isso, aumenta o número de escândalos envolvendo Alckmin e Doria em esquema de corrupção com essas grandes empresas do setor.

Não ao aumento da tarifa! Estatização já!
Por isso, neste início de ano, temos que juntar os trabalhadores do setor do transporte com todos os demais trabalhadores e estudantes contra o aumento de tarifa. Por um transporte público, estatal e de qualidade para a população. Fim da privatização, pela estatização do setor de transportes e pela manutenção do cobrador nos ônibus!

Fora Alckmin e Doria! Fora Todos!
Alckmin e Doria deveriam estar presos por esses esquemas de corrupção e as empresas que roubaram bilhões deveriam ser estatizadas e colocadas sob controle dos trabalhadores.  Ao invés disso, querem tirar ainda mais o coro das costas dos trabalhadores.

Vamos lutar para colocar todos eles para fora! Só assim, nas lutas contra esses ataques e esses governos, poderemos construir um governo realmente nosso, dos operários e do povo pobre, apoiado com conselhos populares, e mudar de verdade esse jogo.

LEIA MAIS

O que Alckmin está fazendo fora da cadeia?