Omissão do governo federal gera conflito entre fazendeiros e povo Tenharim no sul do Amazonas

69

Há 15 dias, uma tragédia está sendo anunciada. A morte do cacique Tenharim, assim como o desaparecimento de três não-índios, foi recebida com descaso pela Polícia Federal. O agronegócio aproveita para dizimar índios e abrir caminho para seus investimentos

Em Humaitá, a 675 quilômetros de Manaus, no Sul do estado do Amazonas, centenas de pessoas invadiram as aldeias da Terra Indígena Tenharim, alegando a busca pelos corpos de três homens desaparecidos e acusando os indígenas de sequestro e assassinato. Os índios negam a acusação. A partir daí, uma série de ataques aos indígenas se iniciou. Foram incendiadas casas nas aldeias, a sede da Funai, o prédio da saúde indígena e barcos que levavam mantimentos às aldeias.

Vários índios estão fugindo com medo de ataques. Muitos estão no quartel da cidade, e outros fugiram para a floresta. Um grupo de madeireiros e fazendeiros ligados ao agronegócio ateou fogo em casas localizadas nas aldeias, alegando serem contra os pedágios cobrados pelos indígenas na estrada que corta a reserva.

O fato é que o Sul do Amazonas é marcado por conflitos de terras. Os fazendeiros e os madeireiros não querem de forma alguma ninguém atrapalhando a derrubada da floresta. Os nativos estão no meio do caminho “atrapalhando” a devastação. E eles, os madeireiros, estão se aproveitando do momento de tensão para incitar a população contra os índios.

Quase nenhuma atitude está sendo tomada por parte da Polícia Federal desde a morte do cacique. A PF não foi até o local para averiguar e justificou a morte como acidente de trânsito. O Estado, ao se calar, está sendo conivente. A população, os índios e os funcionários da Funai estão correndo perigo.

O PSTU exige proteção ao povo Tenharim! Somos todos Tenharim! Contra o Agronegócio e as madeireiras! Por uma intervenção que proteja a integridade e assegure os direitos dos índios Tenharim!

Políticos da direita e governo federal estão aliados contra a luta indígena
Os ataques aos direitos dos povos indígenas partem hoje de vários políticos, a maioria de partidos como PSD, DEM, PSDB, PMDB, PP e também do PT e PCdoB. Aqueles que atacam os indígenas são políticos que fazem parte ou defendem o agronegócio e, na época da eleição, recebem financiamento desse setor. Em nome do lucro, o agronegócio e as madeireiras não pensam duas vezes para tirar a vida dos indígenas.

O governo Federal também ataca os direitos indígenas e está sendo cúmplice da violência, pois aprovou o novo código florestal que permite a devastação das florestas, dá todo tipo de incentivo financeiro ao setor do agronegócio e, recentemente, a ministra Gleisi Hoffmann suspendeu os processos de demarcação de terras indígenas. Em alguns casos, a violência parte de órgãos do próprio governo federal, como aconteceu em Sidrolândia (MS), onde a Polícia Federal matou um índio da etnia Terena em maio deste ano durante reintegração de posse na fazenda Buriti.

– Pelo fim da violência contra os indígenas!
– Pela punição aos assassinos!
– Demarcação imediata das terras indígenas!
– Abaixo a PEC 215!
– Respeito à cultura indígena!

Curta a página do PSTU Amazonas no Facebook