NOTA DO PSTU-AMAPÁ

Na noite desta segunda–feira, 16 de dezembro, uma dupla de motoqueiros tentou invadir o Sincottrap (Sindicato dos Condutores de Veículos e Trabalhadores das Empresas de Transportes Rodoviários de Passageiros do Estado do Amapá) por volta das 21h. Às duas da madrugada, um grupo em um veículo Courier ateou fogo no carro do companheiro Max Delis, presidente do sindicato.

Foi um ato criminoso que precisa ser rigorosamente apurado e seus responsáveis punidos.

O companheiro Max foi demitido por justa causa este mês em mais um ataque às liberdades sindicais orquestrada pela patronal dos transportes do Amapá. A empresa em que trabalha não pagou décimo terceiro aos trabalhadores, que ainda estão com os salários atrasados. O atentado, assim, aparece como uma evidente tentativa de intimidação.

Max Delis, presidente do Sindicato dos Rodoviários

O atentado ao companheiro na madrugada desta terça-feira não é o primeiro. Outros companheiros da diretoria já sofreram este tipo de ataque criminoso, como o ex-presidente do sindicato, Joinville Frota.

Os principais suspeitos são os empresários dos transportes.

Nós do PSTU exigimos imediata investigação deste atentado e a condenação dos culpados.

Todo apoio e solidariedade ao companheiro Max.