UNE faz acordo com empresários e apóia bilhetagem nos ônibus de Salvador

Entidades governistas atacam direito dos estudantes, de olho nos repassesNo último sábado, 1º de abril, os principais jornais de Salvador trouxeram a notícia do acordo entre UNE, UBES e UEB (União dos Estudantes Baianos) e o SETPS (sindicato dos empresários de ônibus), criando o “Salvador Card”. Trata-se de um bilhete eletrônico que obrigará os estudantes a comprar a passagem antecipada e a contribuir compulsoriamente com as entidades estudantis governistas. Para infelicidade dos estudantes baianos, esse acordo não era uma mentira e já passou a vigorar.

O Salvador Card faz parte de um projeto que nacionalmente é conhecido como Bilhetagem Eletrônica. Com a desculpa de “evitar as fraudes na meia passagem estudantil”, ele vem sendo aplicado no país inteiro em maior ou menor grau, e tem como real objetivo garantir a segurança dos lucros dos empresários de ônibus, reduzir a meia passagem e demitir os trocadores. Com a bilhetagem eletrônica, o passageiro paga antecipado, o que garante o lucro dos empresários, antes mesmo que o serviço seja utilizado, e evita que o dinheiro fique no veículo exposto a assaltos (entretanto os passageiros continuarão vitimas dos assaltantes, a segurança é só para o lucro do empresário). Como os estudantes só poderão recarregar o cartão três vezes no mês (em apenas dois postos em toda cidade), eles serão obrigados a recarregar de uma vez muitas passagens. Entretanto, a maioria dos estudantes não terá esse dinheiro de uma única vez para recarregar o cartão, o que acabará por reduzir a meia nos ônibus.

A bilhetagem eletrônica também será ampliada para os trabalhadores, acabando com milhares de empregos. A bilhetagem eletrônica já vem sendo aplicada em várias cidades do país. Em algumas, já está bastante avançada, como em Goiânia, onde a maioria dos trocadores foi demitida.

Esse projeto conta com apoio do governo Lula, já que o SETPS pretende integrar o Salvador Card ao Sistema Nacional Acompanhamento de Frequência Escolar (SAFE), de modo que o aluno que estiver com sua freqüência irregular na escola terá o seu direito a meia passagem suspensa. Com o tempo, até mesmo alunos de Universidades e Escolas particulares poderão ter seu direito à meia entrada suspenso por falta de pagamento das mensalidades.

Mais uma aliança com os empresários
Não é de hoje que a UNE e o sindicato patronal dos empresários de ônibus são aliados contra os estudantes. Desde da “Revolta do Buzú”, em 2003, a UNE vem negociando acordos rebaixados com o SETPS sem consultar a base do movimento. Em 2005, os dois armaram uma farsa na qual o SETPS anunciou que aumentaria a passagem de R$ 1,50 para R$ 2,20, apenas para que a UNE fizesse “manifestações” para “baixar” o preço para R$ 1,70, sendo que esse preço já havia sido negociado previamente entre a UNE, a patronal e a Prefeitura. Agora, às vésperas de um Conselho Nacional de Entidades de Base (CONEB), a UNE fechou acordo sobre o Salvador Card em troca de uma parcela dos “lucros” dos cartões. A primeira via vai custar R$ 20,40 por estudante, sendo que R$ 4,60 ficam com as entidades. A revalidação custará R$ 6,50 sendo o repasse de R$ 3,10.

Com isso, além da arrecadação compulsória, a UNE e a UBES irão manter o monopólio da meia entrada na cidade, já que o acordo prevê que só o Salvador Card poderá dar acesso a esse direito. A UNE rasgou sua carta de princípios em troca de migalhas dos empresários e do Estado. Vendeu o direito dos estudantes e ainda ajuda a atacar a classe trabalhadora.

Porém, apesar da UNE, os estudantes de Salvador não se calaram diante a venda de seus direitos. Estudantes da UFBA, CEFET e de algumas escolas secundaristas já marcaram assembléias para essa semana, e o DCE da UFBA além de divulgar uma nota de repúdio à UNE e à UEB, convocou uma assembléia geral para o dia 19 e uma plenária municipal com todo o movimento estudantil combativo da cidade. Existe um forte sentimento de indignação entre os estudantes e tudo indica que esse ataque do SETPS e da UNE não ficarão impunes.

Essa nova traição da UNE só reforça o quanto essa entidade não representa mais os estudantes. Além de ser o braço estudantil do governo Lula, está ao lado dos empresários, atrelado ao Estado e hoje é apenas uma sombra pálida da entidade que um dia já foi. Hoje é imprescindível que os estudantes construam uma nova alternativa para suas lutas, ou então terão que conviver com as constantes traições da UNE. As entidades da Conlute de Salvador chamam todos os estudantes a irem às ruas lutar contra o Salvador Card da Prefeitura/ SETPS/UNE, na defesa do passe-livre e pela meia cultural para toda juventude.

  • TODOS ÀS RUAS CONTRA O SALVADOR CARD DO SETPS E DA UNE!!
  • EM DEFESA DO PASSE-LIVRE!!
  • CONTRA A CARTEIRINHA DA UNE!! PELA MEIA CUTURAL PARA TODA JUVENTUDE!!!