Uma alternativa operária e socialista nas eleições


As mudanças exigidas pelos milhões de jovens e trabalhadores foram às ruas no ano passado, e que, em 2014, estão fazendo greves e manifestações que sacodem o país – como a recente greve dos metroviários de São Paulo – não virão pela ação dos governos federal, estaduais e municipais. Todos eles estão comprometidos com os grandes grupos econômicos e não com o atendimento das necessidades do povo.

Tampouco, as mudanças virão através das distintas candidaturas que estão postas hoje. A direita tradicional, representada por Aécio Neves (PSDB), já governou nosso país. Todos se lembram da tragédia que foram para o povo, os governos de FHC. Eduardo Campos (PSB) e Marina Silva (REDE), que se apresentam como alternativas, estavam no governo do PT até dias atrás. Marina, quando compunha o governo Lula, e Campos, no governo de Pernambuco, não fizeram nada diferente do que faz o PT no governo.

Mas as mudanças que precisamos não virão com a continuidade do governo do PT e a reeleição da presidente Dilma. Sabemos que muitos trabalhadores ainda têm esperanças no PT. Mas é preciso encarar a realidade. Depois de 12 anos de governo, o tão falado “Brasil Para Todos” da propaganda petista se resume a oferecer Bolsa Família e crédito para endividar as pessoas.

O povo brasileiro precisa de serviços públicos de qualidade, salário e aposentadoria digna, reforma agrária: acesso à cultura e ao lazer. No entanto, longe de garantir isso, o governo do PT promove recordes de rentabilidade dos bancos, empreiteiras e multinacionais. O país cresceu, mas a riqueza continua a ser canalizada para os bancos e empreiteiras da mesma forma que nos governos anteriores. Isto acontece porque o PT optou por governar com os banqueiros, com as empreiteiras, as multinacionais, as grandes empresas do agronegócio. A presença de figuras como Collor de Mello, Sarney e Maluf no governo petista é a personificação desta escolha.

Por isso, o PSTU apresenta a minha candidatura à presidência da República e da professora e militante do movimento negro e feminista Cláudia Durans para vice. Porque é preciso uma alternativa operária para promover as mudanças que o nosso país necessita.

Vamos apresentar um programa que, para atender as reivindicações de saúde, educação, moradia, transporte coletivo, reforma agrária, aposentadoria, emprego e salário dignos, aponte as mudanças necessárias na estrutura econômica, política e social do país. Um programa de ruptura com o capitalismo, rumo a uma mudança socialista em nosso país. Para aplicar este programa é preciso um governo da classe trabalhadora, que rompa com os banqueiros, empreiteiras e multinacionais, para mudar de verdade o Brasil.

Esta é também a razão que inviabilizou a constituição da Frente de Esquerda com o PSOL. O programa defendido por este partido se limita aos marcos da democracia burguesa que aí está, rejeitando a ruptura com o capitalismo para a constituição de um governo da nossa classe, o oposto do que é necessário para mudar o Brasil, de verdade.

Os trabalhadores quando construíram o PT, há mais de 30 anos, tinham esse sonho de chegar ao governo e mudar o país. Lula e a direção desse partido trocaram este sonho por um acordo com os banqueiros e grandes empresários. Agora, o PT governa para eles. Minha candidatura quer resgatar esse sonho da classe trabalhadora. Por isso, defende um caminho distinto daquele trilhado pelo PT. Defende a ruptura com os banqueiros e grandes empresários para mudar, de fato, o Brasil. Para organizar o país de acordo com as necessidades e interesses dos trabalhadores e do povo pobre.

Obviamente, uma mudança desta envergadura não virá apenas com o voto. Eles são importantes, pois cada voto que conseguirmos, em apoio a essas idéias, é um passo que estaremos dando no rumo de nosso objetivo. Mas será preciso mais do que isso. Será necessária muita organização e mobilização dos trabalhadores, da juventude e dos setores oprimidos (negros, mulheres e LGBTs) para reunirmos força para promover esta transformação em nosso país.

A campanha eleitoral do PSTU estará a serviço de defender as mudanças em nosso país e a serviço de estimular e fortalecer as lutas e organização dos trabalhadores e da juventude. E a serviço de fazer com que o maior número possível de trabalhadores, trabalhadoras e jovens deste país venha somar-se ao nosso partido na construção de um projeto socialista.

É a esta campanha que estamos convidando você a fazer junto conosco, divulgando este programa, apoiando as candidaturas do PSTU nacionalmente e em todos os estados. Venha, essa luta também é sua!

Publicado originalmente no Opinião Socialista nº 482