Um trabalhador socialista no Piratini

Natural de São Borja, casado, pai de um filho, Julio Flores tem 43 anos. É professor de ciências na rede pública estadual e matemática no município de POA.

Começou cedo sua militância pelo socialismo. Na PUC, se licenciou em Ciências e foi militante ativo do movimento estudantil, compondo a direção do DCE em uma gestão. Como a grande maioria dos ativistas daquela época, foi militante do PT.

Foi diretor da CUT/RS de 94 a 97, coordenador geral do sindicato dos bancários na gestão 93/96, estando a frente da luta contra a privatização do Meridional. Foi conselheiro do Orçamento Participativo Estadual. Em 98, foi o único candidato dos trabalhadores ao Senado. Fundador do PSTU, concorreu a prefeito de Porto Alegre em 96 e em 2000.

Nos últimos anos, Julio esteve a frente das principais lutas dos trabalhadores e da juventude, seja contra o governo neoliberal de FHC ou contra o governo estadual, como na heróica greve dos trabalhadores em educação em 2000.