Trabalhadores na Volks de Taubaté recusam renovação do Banco de Horas e dias adicionais

As votações foram realizadas em duas assembléias, a primeira a meia noite do dia 4, na saída do segundo turno, e a segunda às 6h da manhã, na saída do terceiro turno e entrada do primeiro.

As propostas foram votadas separadamente, uma reivindicação dos trabalhadores desde a rebelião da campanha salarial de 2009.

De forma separada, a primeira votação foi sobre a proposta se os trabalhadores aceitavam trabalhar no dia 13de março em troca de dois dias de meio período, os dia 24 e 31 de dezembro. A maioria votou contra. A segunda votação era sobre a renovação do acordo do banco de horas. Mesmo com a votação dividida, a proposta foi recusada.
A terceira votação dizia respeito sobre mais dias adicionais, sábados e feriados, de hora extra (nove sábados e um feriado – Tiradentes). Aí também os trabalhadores disseram não, mesmo contando com um abono de R$750,00, além dos adicionais de hora extra.

A fábrica se comprometia a abrir 120 vagas temporárias, mas os trabalhadores não aguentam mais trabalhar tanto, pois assinado no final do ano passado, já existe um acordo de trabalho aos sábados alternados, e o numero prometido pela empresa de contratações é considerado muito baixo pelos trabalhadores.
Em São Bernardo uma proposta semelhante também esta sendo negociada, e envolve também terceirizações.

Novamente os trabalhadores de Taubaté disseram não a essa política de parceria entre a CUT e a Volkswagen.