Trabalhadores da saúde de BH são agredidos e impedidos de entrar em assembleia ilegal

PSTU repudia agressão da Força Sindical aos trabalhadoresNesta quarta-feira, 18 de Fevereiro, dirigentes da Federação da Saúde de Minas Gerais, ligada à Força Sindical, tentaram mais uma vez dividir os trabalhadores da saúde de Belo Horizonte. Realizaram uma assembleia fantasma para fundar um sindicato paralelo de técnicos em enfermagem, dividindo assim a base do Sindeess, reconhecido como representante da categoria.

A assembleia foi marcada num hotel de luxo no centro de BH, o Best Western Sol, e cercada por mais de quarenta seguranças armados para evitar qualquer reação dos trabalhadores e da direção do Sindeess.

Num ato de violência e covardia, impediram os trabalhadores ligados ao Sindeess e à Conlutas de participar da dita assembleia e espancaram vários companheiros, incluindo Roberto Verônica, presidente do Sindicato, que teve a boca cortada por um soco, e Rogério, apoiador da Conlutas, que teve de ser levado para um hospital.

Esta ação violenta da Força Sindical tem 3 objetivos. Primeiro, favorecer os empresários da saúde neste momento de crise econômica, ajudando a fechar acordos de retirada de direitos dos trabalhadores, como estão fazendo nos sindicatos que dirigem pelo país afora. Em segundo lugar, querem enfraquecer o Sindeess, que é um dos sindicatos mais combativos de Minas. Por fim, pretendem atacar a Conlutas, que é a central sindical que mais cresce no país.

O PSTU repudia este ataque aos trabalhadores da saúde e exige a prisão de todos os envolvidos neste ato de violência, a começar pelos dirigentes da Força Sindical, a apuração de conivência da administração do hotel, que abrigou os agressores, a invalidação da assembleia fraudulenta e reconhecimento do Sindeess como legítimo representante dos trabalhadores da saúde de BH.