Temer, Alckmin e Aécio cada vez mais enrolados: Cadeia neles!

Prisão e o confisco dos bens de todos os corruptos e corruptores

Nos últimos dias, a situação de Temer e de figurões do PSDB vem se agravando.

Alckmin e Aécio veem avançar seus processos de corrupção. Já Temer teve seus cúmplices do Planalto não agraciados com o foro privilegiado virarem réus na Justiça Federal de Brasília. O coronel João Baptista de Lima Filho e o advogado José Yunes, amigos de longa data do “vampiro neoliberalista”, podem complicar ainda mais o presidente se abrirem a boca.

Temer conseguiu escapar de dois pedidos de investigação do então Procurador Geral da República (PGR) Rodrigo Janot, às custas da compra de deputados e bilhões do Orçamento, mas a crise é tanta que nem isso foi suficiente para garantir noites tranquilas ao ex-vice da Dilma. O Supremo Tribunal Federal (STF) passou a investigar o atual presidente, ainda que ele não possa ser processado ou punido enquanto estiver no cargo.

No mês passado, o STF pediu a quebra do sigilo bancário do presidente no caso envolvendo corrupção no Porto de Santos. Temer na ocasião declarou que apresentaria à imprensa suas contas. Está todo mundo esperando isso até hoje e uma nova denúncia da PGR pode chegar ao Congresso.

Tucanos na mira
O ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que largou o cargo para disputar a presidência, por sua vez, não vem tendo seus melhores dias.

A Força-Tarefa da Java Jato do Ministério Público Federal de São Paulo acabou de pedir que o processo contra Alckmin seja remetido o mais rápido possível à 1ª instância. O inquérito estava no Superior Tribunal de Justiça (STJ) enquanto Alckmin foi governador e tinha direito a foro privilegiado. Ao deixar o cargo, perdeu o privilégio. Alckmin é acusado de receber mais de R$ 10 milhões da Odebrecht entre 2010 e 2014. Na planilha de propinas da empreiteira, ele seria o “Santo”

No último dia 7 a Polícia Federal prendeu o ex-diretor do Dersa (estatal de infraestrutura rodoviária do estado), Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, apontado como operador dos esquemas de corrupção do PSDB. A Lava Jato aponta desvio de R$ 7,7 milhões das obras do Rodoanel durante as gestões de Serra, de 2007 a 2010. Serra estaria diretamente envolvido numa possível delação de Paulo Preto, mas Alckmin tampouco se livraria.

Já o escândalo do trensalão o esquema de fraude e cartel em licitação nos trens e metrôs de São Paulo entre 1998 e 2008, continua parado. A roubalheira totaliza quase R$ 10 bilhões e ninguém foi punido ainda, pois a justiça do estado e a imprensa tucana sempre blindaram o corrupto.

E por fim temos Aécio Neves, flagrado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista da JBS. O STF julga no próximo dia 17 o recebimento da denúncia por lavagem de dinheiro e corrupção passiva do tucano.

Prisão já e confisco dos bens de todos os corruptos e corruptores
Não foi sem razão que a prisão de Lula não foi comemorada por seus adversários políticos no Congresso, como o PSDB ou mesmo Temer. Pelo contrário, foi recebida com preocupação. A crise que vivemos, que afeta também os de cima, é tão grande que nem mesmo eles conseguem garantir o sucesso da operação-abafa investigações, que tentam levar adiante juntos.

Assim como a maioria da classe trabalhadora, o PSTU afirma que a prisão de Lula não garante no fim da impunidade, nem da injustiça: é preciso exigir a prisão de todos os corruptos e corruptores: seja do PT, PSDB, MDB, etc. E não defender a impunidade geral para salvar Lula, como faz grande parte da esquerda.  Setores da direita, por outro lado, como Bolsonaro e MBL, que tanto denunciam o PT, se calam diante da roubalheira dos tucanos e do governo Temer. Não é difícil entender: Bolsonaro também está metido em casos de corrupção, como enriquecimento ilícito nos últimos anos, e o MBL, que já nasceu corrupto, é ligado a esses mesmos partidos corruptos da direita.

O fato de que a Justiça esteja colocando Temer e esses tucanos na mira, não é garantia que Temer, Alckmin, Aécio e todos os outros corruptos envolvidos na Lava Jato e outros casos de sejam investigados até o fim e rapidamente e presos. Essa justiça dos ricos, cheia de privilegiados, não merece confiança.

Por isso mesmo precisamos exigir investigação e prisão de todos os corruptos e corruptores. Que sejam presos e tenham seus bens confiscados. Que as empresas envolvidas com corrupção, como a Odebrecht, sejam expropriadas e colocadas sob controle dos trabalhadores.