Redação

A professora Flávia Bischain protocolou, nesta terça-feira, 10, uma representação na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) pedindo a cassação por quebra de decoro do Deputado Arthur do Val (Sem partido), conhecido como “Mamãe Eu Falei”. No dia 4 de dezembro, após horas de xingamentos, provocações e gestos obscenos contra servidores que protestavam contra a reforma da Previdência do governador João Doria (PSDB), o deputado subiu à tribuna da Alesp e chamou os trabalhadores de “vagabundos”.

Foi um tremendo desrespeito a uma categoria que está defendendo seu direito à aposentadoria justamente porque trabalha todo dia, muito diferente de quem é filhinho de papai, muito bem alimentado, e que se sente no direito de ofender servidores públicos“, afirma Flávia. “Deputado, vagabundo é quem tira direito de trabalhador“, reafirma a professora da rede pública estadual.

REPRESENTAÇÃO CONTRA DEPUTADO "MAMÃE FALEI"| Acabei de protocolar aqui na ALESP uma representação pedindo a cassação por quebra de decoro do Deputado Artur do Val que ofendeu todos os servidores públicos semana passada ao nos chamar de vagabundos. Vejam só! Um filhinho de mamãe que nunca precisou trabalhar na vida, quer tirar aposentadoria de trabalhador e ainda nos chama de vagabundos! Ora deputado, vagabundo é quem quer tirar aposentadoria de TRABALHADOR!

Posted by Professora Flavia on Tuesday, December 10, 2019

Os servidores lutam contra a reforma da Previdência que confisca em 14% os salários do funcionalismo, além de atacar uma série de direitos da categoria. Diariamente, os servidores acompanham a tramitação da reforma na Alesp, apesar da postura truculenta do presidente da Casa, Cauê Macris (PSDB), que vem restringindo o acesso dos trabalhadores à Assembleia. No último dia 6, a Justiça determinou a suspensão da PEC 18, parte da reforma, porém o PLC 80 (que contém o desconto de 14%) segue normalmente.

Não podemos confiar na justiça burguesa nem no parlamento, pois os deputados que hoje estão se dizendo contra a reforma do Doria são dos mesmos partidos que, ou aprovaram a reforma da Previdência nacional, ou estão aplicando a reforma em outros estados, como o PT no Rio do Grande do Norte, ou o PCdoB no Maranhão“, explica Flávia. “Além disso, sabemos que Doria libera milhões em emendas para comprar deputados“, diz, defendendo que “só podemos contar com a nossa própria luta, preparando uma grande greve unificada da categoria“.