Recessão se aprofunda na Europa

Já é a maior recessão no continente desde a Segunda Guerra MundialO resultado da economia nos países europeus nesses três primeiros meses do ano indica um aprofundamento da recessão no continente, que já se torna histórica. Enquanto a recessão se agravou na Alemanha, que sofreu queda de 3,8% entre janeiro e março, maior queda em 40 anos, a economia francesa entrou oficialmente em recessão (queda de dois trimestres seguidos), com queda de 1,2% do PIB no primeiro trimestre do ano.

Só no primeiro trimestre do ano, foram extintos 138 mil empregos na França, número superior aos postos de trabalho perdidos em todo ano de 2008. Já a Alemanha representa a quarta economia do mundo e a maior da Europa. Sofreu com a queda nas exportações provocada pela crise mundial. Tal resultado expressa, porém, a tendência de uma piora dramática na economia da região

Europa em queda livre
O PIB dos países que compõem a zona do euro caiu 2,5% nesse período. Em um ano, a queda foi de 4,6%, outro recorde. Já o Reino Unido teve uma retração de 1,9%, pior resultado desde 1979. O PIB italiano, por sua vez, caiu 2,4%, maior queda desde 1980. Já a Espanha caiu 1,8%. Portugal, 3,7%. Ao todo, a União Europeia despencou 4,4% no primeiro trimestre de 2009, em relação ao mesmo período de 2008.

Países do Leste Europeu que pediram ajuda ao FMI e se submeteram aos ajustes do Fundo, os mesmos que disseram ter acabado, despencaram e estão no fundo poço. A Estônia caiu 15,6% em relação ao primeiro trimestre de 2008, a Lituânia 10,9% e a Letônia incríveis 18,6%.

Falácia da recuperação
Apesar de o Diretor-gerente do FMI, Domenique Strauss-Kahn, afirmar que enxerga “brotos verdes” da recuperação da economia, os sinais vão no sentido contrário. O resultado da economia da União Européia até março revela quatro meses de quedas consecutivas e cada vez mais intensas.

Segundo estimativas do próprio FMI, a economia da Espanha vai cair 3% em 2009. Além de não se recuperar em 2010, a taxa de desemprego no país deve alcançar 19,3% no período. Já o Reino Unido deve cair 4,1% este ano e 0,4% em 2010, ainda na visão do Fundo.

Já a recessão nos EUA continua se aprofundando e nesse primeiro trimestre a economia do país caiu 6,1%, superando as expectativas do mercado, que esperava retração de 4,7%.