PSTU-PE: A vida das mulheres importa! Punição para o assassino de Dona Cida!

No último dia 10 de dezembro ocorreu o brutal assassinato de Dona Cida, moradora da comunidade de Novo Horizonte (Barra de Jangada) no município de Jaboatão dos Guararapes (PE). Dona Cida era uma mulher batalhadora, fazia serviços como diarista e costureira e sempre lutou muito para criar seus filhos e netos, tinha 52 anos e, na madrugada da sexta para o sábado, foi violentamente assassinada e decapitada, tendo sua cabeça exposta no muro da sua casa pelo assassino.

Já faz mais de um mês que esse crime aconteceu e a polícia ainda não solucionou esse caso. A comunidade toda sabe quem é o possível assassino, mas a polícia ainda não o prendeu, e ele está solto por aí. Além disso, queremos denunciar o descaso e falta de humanidade que os peritos tiveram quando foram à cena do crime. Os filhos e parentes da vítima estão desconsolados e já não acreditam mais na Justiça.

Praticamente todos os dias vemos casos de assassinato de mulheres no estado e o governo Paulo Câmara (PSB) diz que está tudo tranquilo, o Pacto pela Vida do governo do estado é um projeto falido! É descarado o descaso que a população negra, LGBT, trabalhadora e pobre sofre com os órgãos de segurança pública. A polícia humilha nossa juventude, nossas mulheres que se encorajam a ir às delegacias denunciar a violência causada pelo machismo dentro e fora dos seus lares, só há rapidez para resolver casos que tem notoriedade na mídia ou de pessoas com melhores condições de vida.

Jamais esqueceremos das Donas Cidas, das Remis, das Marcelas, Polianas, Camilas e tantas outras que já se foram. O Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídio no mundo. Segundo dados da Secretaria de Defesa Social, em 2017, 268 homicídios de pessoas do sexo feminino foram registrados no Estado. Desses, 75 foram qualificados como feminicídio. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o número de assassinatos chega a 4,8 para cada 100 mil mulheres.

O machismo foi a ideologia que os ricos criaram para dividir homens e mulheres da classe trabalhadora. A nossa vida está muito difícil, vivemos com medo dentro e fora de nossas casas, estamos vulneráveis só pelo fato de sermos do sexo feminino. Não queremos ser mais que os homens, nem ter privilégios, só queremos ter igualdade e sermos respeitadas enquanto ser humano.

Para isso precisamos unir forças para combater todos os ataques que já estão sendo executados pelos governos com o PL 181/2011 que criminaliza o aborto até em casos de estupro, a reforma trabalhista, da Previdência, não vamos nos calar e nem vamos permitir que a Justiça se omita e a polícia não prenda o assassino. Chamamos todos os movimentos sociais para nos mobilizarmos já na cobrança de uma punição exemplar para esses assassinos de mulheres.

O PSTU acredita que devemos mudar a consciência dos homens e mulheres para lutarmos lado a lado contra e exploração e as opressões, seja de sexo, orientação sexual, cor/raça, etnia, etc. Precisamos fazer uma revolução, só assim criaremos uma outra sociedade, uma sociedade mais humanizada, livre de exploração e de toda forma de opressão, uma sociedade socialista.

 

Nenhuma a menos, nenhum direito a menos!

Criação e ampliação de casas abrigo!

Prisão imediata do assassino!