PSTU-MA: Neylson presente! Hoje e sempre!

2551

Imensamente tristes e revoltados, a regional do PSTU-Maranhão informa o assassinato, com tortura, de nosso amigo e militante Neylson Oliveira da Silva.

Neylson foi brutamente assassinado na cidade de Açailândia (MA), e o seu corpo foi encontrado jogado em um matagal no bairro Laranjeiras. Existem suposições de que teria sido um latrocínio e, pelo requinte de crueldade dos criminosos, não resta dúvida que esse crime está também atravessado por LGBTfobia.

Nós exigimos celeridade e transparência nas investigações policiais! Sua trajetória de vida, sua militância em defesa dos direitos humanos e das pessoas LGBTI, além de sua importância política e pedagógica na cidade de Açailândia deve ser considerada para se investigar a fundo e trazer os responsáveis à justiça.

Neylson era graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Maranhão, intérprete de Libras, atualmente mestrando em Educação pela UFMA. Era também professor da Educação básica no município de Açailândia, foi ainda professor tanto da UFMA, quanto da UEMA SUL. Desde estudante se envolveu com as lutas para conquistar direitos políticos e sociais para a classe trabalhadora. Sobretudo, era um militante da causa LGBTI, das lutas do campo, da educação especial etc. Foi diretor do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFMA na gestão Nada Será como Antes, foi do Programa Nacional de Educação por Reforma Agrária (PRONERA) e era, acima de tudo, um revolucionário, um grande militante do PSTU, se mantendo firme em nossas fileiras, mesmo nos momentos mais difíceis. Era também um líder sindical e da categoria de professores da cidade de Açailândia. Na grande greve do ano de 2021, protagonizada pelos professores e professoras daquele município, esteve à frente das lutas, da organização e dos protestos da categoria, fazendo parte do comando de greve.

A cidade de Açailândia é um lugar dominado pelo agronegócio, por siderurgias de carvão e ferro gusa, por uma grande quantidade de trabalhadores escravizados, portanto, violenta e perigosa para a classe trabalhadora, em especial, para os militantes sociais e revolucionários. Por isso, é mais do que necessário uma apuração rigorosa dos fatos. Se qualquer assassinato de um trabalhador já é motivo de indignação, repulsa e investigações, o assassinato de um líder sindical, militante LGBTI, da reforma agrária e da educação deve ser rigorosamente apurado.

Mas para além disso, é preciso destacar a pessoa humana que era Neylson Oliveira da Silva, nosso Ney! Um cara carinhoso, que quando te encontrava você já sabia que teria um abraço e um beijo garantidos. A partir daí, seriam risadas, mais abraços, mais beijos e muita conversa boa. Uma pessoa que gostava de dançar, gostava de música e gostava de interpretar em Libras, gravando em vídeo, as músicas das quais gostava para os seus alunos e comunidade em geral. Ney era o que todo o revolucionário realmente é: um ser humano que luta, vive e se apaixona pela classe trabalhadora. Enfim, um ser humano que com luta, garra, força, coragem, sensibilidade, sutileza, risadas, abraços e beijos fazia  de tudo para que a classe trabalhadora tivesse sua emancipação plena! Por isso, combatia a burguesia e os latifundiários por uma sociedade sem LGBTfobia, sem machismo, sem racismo e sem classes sociais. Por uma sociedade comunista!

Camarada Ney, saiba que seu sorriso, seus abraços, suas danças, seus beijos e suas palavras de ordem caminharão conosco e com todos aqueles que querem uma Revolução Comunista no mundo. Sua memória e seu exemplo estarão com todos nós! Viva a sua luta! Neylson para sempre, Presente!