Pelo Fórum

  • Sebastião Salgado faz crítica ao neoliberalismo

    A saída do homem do campo para a cidade, a falta de perspectivas do povo africano, o trabaho escravo e o extermínio de indígenas foram temas das projeções do fotógrafo Sebastião Salgado. Ele destacou a destruição do meio ambiente como um dos males do capitalismo e criticou o agrobusiness como “um modelo reacionário”.

  • Partido vende 2.500 agendas

    Durante o Fórum, o PSTU organizou 25 bancas com materiais próprios e de partidos da LIT-QI em vários países, como Argentina, Bolívia, Rússia, Equador, EUA, México e Paraguai. Foram expostos desde publicações políticas até objetos culturais, como chapéus confeccionados por indígenas do Equador e a boneca russa Matriushka. Ao final do evento, haviam sido vendidos, entre outros, 1.320 exemplares do Opinião Socialista, 2.500 agendas, 500 camisetas e 3.600 bottons contra a Alca e a Guerra ao Iraque.

  • Chomsky: EUA são ameaça à paz

    Uma das conferências mais concorridas do Fórum foi a do linguista norte-americano Noam Chomsky, que reuniu 20 mil pessoas no Gigantinho, no dia 27. Chomsky afirmou que os EUA querem de toda forma promover a guerra contra o Iraque e são uma ameaça à paz mundial inclusive em países da América Latina e África. Segundo ele, após o ato terrorista de 11 de setembro de 2001, “o Estado mais poderoso da história proclamou em alto e bom som que pretende dominar o mundo pela força“.

  • Tenda e festa: pontos de encontro dos socialistas

    Durante o Fórum, funcionou a Tenda Socialista, no Largo da Epatur, um ponto de encontro para reuniões, plenárias, troca de informações e contatos entre pessoas de diversos lugares do Brasil e do mundo. Durante as noites, a partir das 22h, a Tenda foi palco de festas. No dia 25, um ato político seguido de festa reuniu 1.200 pessoas no Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados (Serpro). A banda gaúcha Graforréia Xilarmônica e o DJ Henrique Coelho animaram a noite.

  • Fogo e ducha fria

    O Acampamento Internacional de Juventude tem muita história. Em um ato, piqueteiros argentinos, como fazem em“cortes“ de estradas, queimaram pneus. Ficaram surpresos (e revoltados) com seguranças munidos de extintores. Até bombeiros vieram apagar o “incêndio“. Chamou também a atenção o ato dos “peladões“, solidário a uma índia mapuche, que – seguindo seus costumes – foi banhar-se nua nos chuveiros, e foi impedida por seguranças. Cerca de 200 jovens, a maioria nus, fizeram uma passeata pelo acampamento e ruas próximas, com direito a repressão policial.

  • Quem não pôde ir, viu pelo site

    Como em 2002, este ano o site do PSTU contou com notícias e fotos direto do Fórum. A cobertura foi um sucesso, com os seguintes militantes: Luciana Cândido (POA); Maurício Sabino (Brasília); Cristina Macedo (Rio de Janeiro); Jacques Gosch (Passo Fundo); Cristiane Alves, Diego Cruz, Iraci Borges, Luiz Fernando, Yara Fernandes e Valério Paiva (Bauru); Jefferson Choma (Curitiba); Larissa de Morais (BH); Alexandre Leme (São Paulo); Claudia Costa e Jocilene Chagas (São José dos Campos).

    Visite o especial sobre o Fórum Social Mundial 2003
    Post author
    Publication Date