Pela liberdade imediata dos presos políticos de Dilma e Pezão

Local para onde estão sendo encaminhados os detidos
Foto Rio na Rua

Pelo fim da Polícia Militar e da política de repressão dos governos

A partir da manhã desse dia 12 de julho estão sendo cumpridos 60 mandados de prisão contra trabalhadores e estudantes. Enquanto a máfia dos ingressos da FIFA permanece livre, ativistas estão sendo presos por protestarem.

Os governos mostram qual é o verdadeiro legado da Copa: repressão, supressão de direitos democráticos e remoções. Até o momento cerca de 28 mandados de prisão provisória, com duração de até 5 dias, já foram cumpridos. Entre os presos, existem 6 menores de idade. Os ativistas presos foram retirados de suas casas e levados em camburões sob a mira de armas de grosso calibre para a “Cidade da Polícia”, no Jacarezinho (Zona Norte do Rio). Um grupo será transferido ainda hoje para o Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste da capital.

Diversas denúncias têm sido feitas de que prerrogativas dos advogados que estão na “Cidade da Polícia” estão sendo desrespeitadas, e os midiativistas presentes no local foram impedidos de participar da uma coletiva de imprensa organizada pela Secretaria de Segurança Pública do RJ. Somente a mídia tradicional, conivente com os governos de plantão, que dependem das verbas institucionais para aumentar seus lucros e que apoiaram o famigerado golpe civil-militar de 64, puderam participar do espetáculo montado.

Para continuarem com sua onde repressiva, os governos contam com a conivência da mídia tradicional. Na Band News FM foi relatado que, na casa de um dos presos, um professor, foi encontrada uma “máscara de gás”, como se fosse algo perigoso. Na verdade, quase um objeto de uso obrigatório nas manifestações de rua pela capital fluminense, dada a quantidade de bombas de gás lacrimogêneo que é jogada a esmo pela Polícia Militar do Rio de Janeiro. Na Rede Globo, a chamada para o seu jornal vespertino não foi diferente, ao tratar como “vândalos” aqueles que lutam.

Fazemos esta denúncia não por concordar com as ações e os métodos dos grupos políticos a que pertencem os ativistas presos. No entanto, não podemos admitir ataques aos direitos democráticos de manifestação e liberdade de opinião. Acreditamos que essa ação faz parte de uma onda repressora de Dilma (PT), Pezão/Cabral (PMDB), Alckmin (PSDB), contra aqueles que lutam, como nas demissões dos metroviários de São Paulo, o corte de salários na educação do Rio de Janeiro e os processos aos ativistas do Bloco de Lutas de Porto Alegre, como Mateus “Gordo”, militante do PSTU.

Chega de dinheiro para a FIFA! Exigimos mais dinheiro para saúde, transporte, moradia e educação!

Toda solidariedade aos presos e perseguidos por lutar no Rio e em todo país!

Lutar não é crime, lutar é um direito!

ACESSE o blog do PSTU Rio